Quais as hipóteses para a origem do monólito de Utah

Peça metálica encontrada em deserto nos EUA provoca corrida na internet e especulações que vão de minuciosas análises de catálogos artísticos a potenciais conspirações 

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    No dia 18 de novembro, um piloto sobrevoava de helicóptero uma área remota do deserto de Red Rock, em Utah, nos Estados Unidos, acompanhado de oficiais ambientais que pretendiam contar carneiros selvagens. Foi quando o grupo encontrou uma peça metálica de base triangular e cerca de três metros de altura.

    Ainda não se sabe a origem do objeto, nem há quanto tempo ele está no local. O Departamento de Segurança Pública de Utah disse não descartar a possibilidade de que o monólito esteja ali há “40, 50 anos, ou até mais”. Em um comunicado à imprensa, o órgão afirmou que “é ilegal instalar estruturas ou arte em áreas públicas administradas pelo governo federal sem autorização, não importa de qual planeta você seja”.

    Em 2001, uma estrutura semelhante apareceu na cidade americana de Seattle na manhã de 1º de janeiro. Dois dias depois, ela desapareceu, deixando para trás uma rosa e a base de concreto. Na época, um grupo de artistas se declarou responsável pela instalação da obra, mas não por sua remoção.

    Bret Hutchings, o piloto do helicóptero que encontrou o monólito em Utah, foi o primeiro a levantar a autoria artística como uma possibilidade para a peça metálica recém-descoberta. “Suponho que seja de algum artista new wave, algo assim ou, você sabe, de alguém que foi um grande fã de ‘2001: Uma odisseia no espaço’”, disse à KSLTV, uma rede local de notícias.

    As teorias sobre o misterioso objeto

    Uma das principais suspeitas é de que a obra seja do artista John McCracken, morto em 2011. Ao jornal The New York Times, David Zwirner, agente do escultor, afirmou que os sócios da galeria de McCracken estavam divididos sobre a possibilidade de o artista ser o autor do objeto, mas que ele não tinha dúvidas.

    Outros levantaram a hipótese de que Petecia Le Fawnhawk, escultora que trabalhou em Utah, fosse a responsável. Conhecida por instalar objetos totêmicos no deserto, Fanhawk disse à revista Artnet que não pode reivindicar a autoria desta obra. Além disso, contou suas próprias especulações: “Meu primeiro pensamento e esperança é de que talvez seja uma peça há muito perdida [dos artistas] Richard Serra ou Ellsworth Kelly, ou talvez a lápide de Edward Abbey [escritor e ambientalista morto em 1989]”.

    Outra teoria levantada é a de que o monólito seja um objeto que tenha sido usado para uma sessão de fotos e acabou esquecido no local. Segundo essa hipótese, um artista chamado Derek DeSpain é o responsável pela obra. Em um de seus trabalhos, Eliot Lee Hazel fotografou peças parecidas com o monólito. Uma das pessoas marcadas nas fotos é o construtor e soldador DeSpain, que mora em Logan, Utah, local muito próximo de onde está o objeto.

    Embora faça mais sentido atribuir a autoria do monólito a um artista, a semelhança dele com a placa que aparece no filme 2001: Uma odisseia no espaço, de Stanley Kubrick, levou muitas pessoas a sugerir não apenas que a peça em Utah seja obra de um fã do longa, mas que, assim como sugere o roteiro, ela seja de origem alienígena.

    Essa teoria pouco provável sugere que os alienígenas, interessados de alguma forma pela vida terrestre, colocaram uma sonda (o monólito) para armazenar informações sobre os nossos costumes.

    O monólito em “2001” é um retângulo preto misterioso, e a trama sugere que ele tem autoria extraterrestre e atua como motor da evolução humana. Entretanto, os monólitos descritos por Arthur C. Clarke, cuja obra inspirou o filme, têm dimensões muito diferentes daquele que foi encontrado agora.

    Entre as teorias conspiratórias que rondam o enigmático objeto está também a de que o monólito seria uma espécie de dispositivo de controle do governo. O estado de Utah fica no oeste americano, região que supostamente abriga misteriosas bases governamentais. O monólito, neste caso, seria um experimento. O fato de que as autoridades tenham preferido manter o local exato da peça em sigilo alimentou essa teoria.

    O Departamento de Segurança Pública explicou o motivo do segredo: o monólito fica em uma área muito remota e se indivíduos tentarem visitar, há uma possibilidade significativa de que possam ficar presos e precisar de resgate.

    Tecnologia tornou área popular

    A tentativa do governo, no entanto, fracassou. A partir de uma investigação coletiva, a exata localização do monólito foi divulgada em um fórum da rede social Reddit.

    Segundo a apuração, realizada a partir de dados com históricos de imagem do Google Earth, o objeto teria sido colocado ali entre agosto de 2015 e outubro de 2016.

    As rotas de voo dos dois helicópteros da região foram rastreadas pelos usuários do Reddit. Cerca de dois dias depois da localização ter sido postada, chegaram os primeiros curiosos. Nesta sexta-feira (27), fotos e vídeos de pessoas escalando e posando no monólito já invadiram o Instagram.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.