Por que os visons na Dinamarca podem ser um risco na pandemia

Animais parecidos com as doninhas reinfectaram ser humano com coronavírus mutados, afetando a resposta imunológica dessas pessoas. Cientistas alertam para possibilidade de impacto na eficácia das vacinas

No dia 4 de novembro, o governo dinamarquês anunciou que iria sacrificar cerca de 17 milhões de visons — espécie parecida com as doninhas americanas — em mais de 1.000 fazendas do país. Vários desses animais tiveram contato com trabalhadores agrícolas, contraindo o novo coronavírus. Neles, o vírus passou por mutações e foi reintroduzido no ser humano.

O temor é de que um coronavírus mutado e alastrado de forma generalizada entre a humanidade possa interferir na eficácia das vacinas atualmente desenvolvidas. Na terça-feira (10), a Dinamarca suspendeu o plano porque não tinha a autorização legal para abater visons saudáveis. No entanto, o governo encorajou que fazendeiros sacrificassem suas criações.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.