A morte de uma cicloativista e a violência do trânsito

Pesquisadora Marina Harkot foi atropelada quando voltava de bicicleta para casa. Até setembro, 24 ciclistas tinham morrido no trânsito da capital paulista no ano

    A pesquisadora de mobilidade urbana e cicloativista Marina Kohler Harkot, de 28 anos, foi atropelada e morta no início da madrugada de domingo (8) enquanto pedalava numa avenida do bairro de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Segundo amigos, ela estava voltando para casa depois de se encontrar com uma amiga. Não há ciclovia no local.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.