Os dilemas éticos em infectar pessoas para testar a vacina da covid

Imperial College de Londres anunciou que fará pesquisa com voluntários expostos deliberadamente ao novo coronavírus em janeiro de 2021. Para OMS, benefícios devem superar riscos

A decisão de pesquisadores do Imperial College, de Londres, de iniciar em janeiro de 2021 um estudo com o apoio do governo britânico para testar a eficácia de vacinas em voluntários deliberadamente infectados com o novo coronavírus levantou questionamentos éticos sobre a adoção da prática para acelerar pesquisas em meio à pandemia. A iniciativa ainda passará pela análise de uma agência regulatória.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.