Os blocos afro de Salvador e o orgulho identitário negro

Documentário ‘Samba de Santo - resistência afro-baiana’ acompanha bastidores e apresentações de Ilê Aiyê, Bankoma e Cortejo Afro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Temas

    Samba de Santo - resistência afro-baiana é um documentário sobre a história e atuação de três blocos afro de Salvador, Bahia. O filme não apenas registra os personagens e bastidores desses grupos, mas sublinha seu papel na construção da orgulho identitário negro.

    Dirigido pelo músico e produtor Betão Aguiar, “Samba de Santo” fez sua estreia como parte da programação da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, de 22 de outubro a 4 de novembro de 2020.

    A produção compõe o projeto Mestres Navegantes, que realiza pesquisa e registros de música popular. As seis edições do projeto incluem discos de capoeira, chegança e candomblé e curtas-metragens sobre o repentista Bule-Bule e da ceramista Dona Cadu.

    Em “Samba de Santo”, o foco são os blocos afros Bankoma, Cortejo Afro e Ilê Aiyê. Este último se formou em 1974, sendo o pioneiro desse tipo de formação. O Cortejo Afro surgiu em 1998 e o Bankoma, em 2000.

    O espectador é levado para dentro de ensaios e apresentações ao longo dos seus dias de Carnaval. Depoimentos e imagens mostram que, por trás do esplendor visual, da musicalidade e da animação há um sólido trabalho social e de mobilização de comunidades periféricas de Salvador.

    Ao percorrer alguns dos terreiros tradicionais da capital baiana, o filme destaca as ligações entre a religiosidade afro-brasileira e os blocos. “Bloco afro é o candomblé de rua”, afirma o cantor Aloisio Menezes, do Cortejo Afro, em uma passagem do filme.

    James Brown, Martin Luther King e Malcolm X

    Fundado na Ladeira do Curuzu, o Ilê Aiyê encontrou hostilidade da imprensa e de parte da sociedade baiana em seus primeiros anos. Ao exaltar a negritude por meio de elementos visuais e cartazes, foi tachado de racista.

    O grupo trazia forte inspiração do movimento do orgulho negro americano, que se projetava mundialmente por meio da música de James Brown, do ativismo de Martin Luther King Jr. e Malcolm X e da valorização da ancestralidade africana. Em “Samba de Santo”, o presidente e fundador do Ilê Aiyê, Antonio Carlos dos Santos, conhecido como Vovô do Ilê, enfatiza essa influência. Segundo ele, o bloco quase se chamou Poder Negro.

    Ao longo dos anos, os desfiles do Ilê Aiyê abordaram a memória relacionada à diáspora africana, personalidades afrodescendentes da história do país e representações positivadas da negritude. Desde sua fundação, o bloco mantém a tradição de apenas contar com integrantes negros.

    “Poder falar para as nossas crianças e mulheres que elas são deusas, que nosso cabelo é lindo, que ela pode mesmo deixar o seu black todo ouriçado, passar um batom vermelho, uma roupa colorida!”, relata no filme Gleicy Ellen, eleita Deusa do Ébano do Ilê Aiyê 2020.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.