Quais as expectativas do FMI para a economia em 2020 e depois

Órgão internacional projeta queda de 5,8% para o PIB brasileiro em meio à pandemia do novo coronavírus. Relatório faz previsões do que esperar da recuperação econômica nos próximos anos

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

O PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil deve sofrer uma queda de 5,8% em 2020. A projeção foi divulgada na terça-feira (13) pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) em um relatório que faz um panorama da economia mundial no ano, marcado pela pandemia do novo coronavírus.

Se a projeção se concretizar, será o pior desempenho anual da economia brasileira na história. De 1901 – primeiro ano com dados disponíveis – até 2019, nenhuma vez a atividade econômica brasileira, medida pelo PIB, caiu mais que 5% em um ano.

4,35%

foi a queda do PIB brasileiro em 1990, pior resultado registrado entre 1901 e 2019

O PIB é o resultado da soma de todos os novos bens e serviços produzidos em um lugar em certo período de tempo. Por ser um indicador de quanto e como a economia produziu naquele intervalo, o PIB aponta se a atividade econômica expandiu, encolheu ou permaneceu igual na comparação com outros momentos.

O relatório do FMI traz dados para países do mundo todo. Para a economia global, a projeção em 2020 é de queda de 4,36% – menor, portanto, que a prevista para o Brasil.

TOMBO HISTÓRICO

Projeções do FMI para o crescimento do PIB em 2020. Queda do Brasil maior que o mundo e os emergentes, mais próximo dos desenvolvidos

A queda projetada para a economia brasileira é de ordem similar às economias avançadas. Como um todo, a economia do grupo dos países emergentes – em que o Brasil se enquadra – deve ter queda de cerca de 3,3%, segundo a organização.

A queda no PIB per capita

O relatório do FMI também traz projeções a respeito do PIB per capita – o PIB dividido pela população de um local, indicador que permite saber quanto, em média, cada pessoa produziu em um período de tempo. Órgãos internacionais como o Banco Mundial e o próprio FMI costumam usar esse critério para identificar recessões globais. Em anos em que há queda do PIB mundial per capita, eles consideram que há uma recessão mundial.

Em 2020, o PIB mundial per capita deve cair 5,6%, segundo o relatório do FMI. Se a projeção se concretizar, será a pior queda no indicador desde a Segunda Guerra Mundial.

No Brasil, a projeção é de queda de 6,4% no PIB per capita em 2020 – maior que a média do mundo e maior também que a média dos países emergentes.

QUEDA FORTE NO BRASIL

Variação projetada pelo FMI para o PIB per capita em 2020. Queda mais forte no Brasil que na média do mundo

Mudanças nas projeções de 2020

Apesar da projeção historicamente ruim para a economia brasileira, as perspectivas para o PIB em 2020 melhoraram ao longo do ano.

Em relatório publicado em 14 de abril, o FMI havia projetado uma queda de 5,3% para a economia brasileira em 2020. Naquele momento, a OMS (Organização Mundial da Saúde) havia declarado, poucas semanas antes, a pandemia do novo coronavírus, e o tamanho do impacto econômico da crise sanitária ainda era muito incerto.

No final de junho, as projeções foram revisadas para pior. O órgão internacional calculou que a queda do PIB brasileiro seria de 9,1%. Quatro meses depois, a expectativa melhorou, refletindo os primeiros sinais de recuperação econômicareflexo do processo de reabertura da economia e das medidas de apoio do governo, como o auxílio emergencial. As projeções para a retração da economia global também melhoraram de 4,9% em junho para 4,4% em outubro.

A melhora nas expectativas para o Brasil em 2020 ocorreu também nas projeções do Banco Mundial. Em junho, o órgão havia previsto queda de 8% no PIB brasileiro no ano; na sexta-feira (9), o tombo foi revisto para 5,4%.

Entre os agentes da economia brasileira, as expectativas também melhoraram ao longo do ano, conforme mostra o relatório Focus – divulgado semanalmente pelo Banco Central e que compila as projeções de economistas de bancos, corretoras, agências de câmbio e de outros participantes do mercado financeiro e do setor empresarial. São mais de 100 opiniões coletadas semanalmente por meio de uma pesquisa online.

As expectativas do mercado para o resultado do PIB brasileiro em 2020 atingiram o ponto mais baixo na última semana de junho, quando a projeção era de queda de 6,6%. Em meados de outubro, a queda esperada é de cerca de 5% – similar às projeções do FMI e do Banco mundial, e ainda dentro da expectativa de ser a pior variação anual registrada do PIB brasileiro.

O que o FMI projeta para 2021 em diante

Mesmo com a melhora nas projeções para 2020, o FMI ainda espera que a recuperação da economia brasileira seja lenta. Em 2021, por exemplo, o órgão internacional espera que o PIB brasileiro cresça 2,8% – abaixo dos 5,2% previstos para o mundo e dos 6% projetados para os países emergentes.

Segundo a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, esse ritmo baixo de crescimento está ligado à necessidade de o governo reduzir gastos em 2021. O teto de gastos, que limita os valores despendidos pelo governo a um nível pré-determinado, fará com que o Brasil reduza as despesas públicas e descontinue programas como o auxílio emergencial, que deram apoio financeiro para a população em meio a uma das piores crises da história.

Olhando para além de 2021, o FMI espera que o Brasil mantenha o ritmo baixo da atividade econômica, com o PIB crescendo em torno de 2,2% em todos os anos entre 2022 e 2025. No cenário desenhado pelo órgão internacional, a economia brasileira só voltará ao nível pré-crise pandêmica em 2023. Antes da pandemia, a economia brasileira ainda não havia se recuperado totalmente da recessão que atingiu o país entre 2014 e 2016.

A recuperação lenta brasileira deverá acompanhar o movimento geral da América Latina, que o FMI também espera que demore mais para voltar ao patamar pré-crise.

O PIB ATÉ 2025

Projeções do FMI para o crescimento do PIB do Brasil. Queda forte em 2020 e recuperação lenta a partir de 2021

Nas projeções do FMI, o PIB per capita brasileiro também deve ter crescimento baixo em 2021. A expectativa é que, após a queda de 6,4% em 2020 – maior que a média mundial –, o PIB per capita cresça 2,2% em 2021 – abaixo do restante do mundo, que deve registrar alta de 4%.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.