O projeto que conta histórias de jornalistas mortos pela covid-19

‘Adiós en cobertura’ publica perfis de profissionais da América Latina e do Caribe, e inclui histórias do Brasil

    O projeto “Adiós en cobertura” conta as histórias de vida de jornalistas e comunicadores que viviam em países da América Latina e do Caribe e foram vítimas da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

    A iniciativa, criada por outros jornalistas da região, busca homenagear a memória das vítimas da pandemia, publicando perfis que mostram quem elas eram, onde viviam, como era seu trabalho e o que mais consideravam importante na vida, além da profissão.

    Os perfis são de profissionais que viveram em países como Argentina, Brasil, Bolívia, Equador, México, Nicarágua, Peru e República Dominicana. Eles foram escritos a partir de depoimentos dados a jornalistas por familiares, amigos e colegas de redação das vítimas.

    O site foi produzido de modo colaborativo por 22 jornalistas e dois ilustradores de diversos países da América Latina e do Caribe, coordenados pelo veículos mexicano Distintas Latitudes. O portal tem como foco publicar reportagens que deem conta da realidade de todo o continente latino-americano.

    A Sociedad Interamericana de Prensa, organização que busca defender a liberdade de expressão e de imprensa nas Américas, afirmou em agosto que mais de 100 jornalistas no continente haviam morrido até então por causa da covid-19. Os dados incluem casos dos EUA, que não são contemplados no projeto “Adiós en cobertura”.

    Jornalistas na linha de frente

    “Independentemente de estarem acompanhando a pandemia ou não, todos [os homenageados] viveram e cobriram, de alguma forma e em primeira pessoa, a notícia mais relevante de nosso tempo”, diz um texto do site “Adiós en cobertura”.

    Com a pandemia, jornalistas “fizeram um trabalho essencial para informar”, afirma o projeto. “Seja trabalhando de casa ou nas ruas, pessoas jovens ou com muita experiência, nos centros urbanos e nas zonas rurais, têm estado na linha de frente para nos aproximar de fragmentos dessa realidade atípica.”

    Entre os jornalistas homenageados está Marcelo Bittencourt, que trabalhava na Rádio USP, em São Paulo. Ex-diretor da emissora, ele conduzia o programa “Biblioteca sonora”, sobre o lançamento de livros. A carreira do jornalista inclui dois prêmios Jabuti de literatura.

    Outro brasileiro homenageado é “Naná”, apelido de José Augusto Nascimento Silva, que trabalhava como editor de imagens no SBT do Rio de Janeiro. O “Adiós en cobertura” o define como um “almanaque da história do Rio de Janeiro”, além de bom cozinheiro. “A redação soltava fogos quando ele chegava com pratos”, diz o texto.

    Com 30 anos de carreira, o radialista Roberto Fernandes, de 61 anos, trabalhava em São Luís, no Maranhão. “Entrevistava todos os tipos de pessoa com a mesma habilidade e respeito”, diz o projeto. Recentemente, ele havia conhecido o neto Murilo, de 1 ano, descrito como sua “alma gêmea”.

    Todos os textos do “Adiós en cobertura” estão em espanhol, mas os perfis de jornalistas brasileiros também acompanham histórias em português. O site usa ainda fotos e ilustrações para mostrar como foi a vida dos homenageados.

    A covid-19 nas Américas

    As Américas (do Norte, do Sul, Central e Caribe) lideram o ranking absoluto de casos de infecção pelo novo coronavírus, com mais de 17,3 milhões de registros até quinta-feira (8), segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

    Na América Latina e o Caribe, adiciona-se ainda o fato de a região sentir com mais intensidade os prejuízos econômicos e sociais da pandemia, em comparação com outros países do continente americano.

    Entre os países mais atingidos da América Latina estão Brasil, Colômbia, Peru, Argentina, México e Chile. Com o terceiro lugar em número de casos no mundo, atrás apenas dos EUA de Índia, o Brasil tinha mais de 5 milhões de registros da covid-19 até quarta-feira (7), segundo o Ministério da Saúde. O país é também o segundo no mundo em número de mortes.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.