O impacto físico e psicológico do home office na pandemia

Estudo da FGV revela baixos índices de bem-estar e saúde mental entre trabalhadores. Ministério Público do Trabalho propõe recomendações para formato

Trabalhar de casa se tornou uma realidade para cerca de 10,8% dos trabalhadores brasileiros, o que equivale a cerca de 8,3 milhões de pessoas, segundo a Pnad Covid-19 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Desde o início da pandemia, no entanto, a maioria não teve nenhuma assistência de seus contratantes em relação às condições de saúde e segurança durante o home office – é o caso de 84% dos participantes de uma pesquisa realizada pela FGV (Fundação Getulio Vargas), em parceria com o IES (Institute of Employment Studies), do Reino Unido, publicada nesta sexta-feira (9).

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.