Como a pandemia mudou o perfil de renda dos brasileiros

Mais pobres conseguem melhora temporária com auxílio emergencial e quem já ganhava mais de dois salários mínimos foi prejudicado, segundo estudo do FGV Social

    A população pertencente à chamada classe C atingiu recorde em meio à pandemia do novo coronavírus. É o que mostra o estudo “Covid, classes econômicas e o caminho do meio”, publicado pelo FGV Social (Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas) na sexta-feira (9).

    A pesquisa, coordenada pelo economista Marcelo Neri, baseia-se nos dados da Pnad Anual e da Pnad-Covid, divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ela contempla não apenas a renda do trabalho, mas a renda domiciliar per capita como um todo, incluindo benefícios sociais.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.