A internacionalização do conflito entre Armênia e o Azerbaijão

Mercenários sírios e líbios, contratados pela Turquia, são vistos na disputa pela região de Nagorno-Karabakh, enquanto russos e franceses tentam fazer intermediação

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Os governos da Rússia e da França denunciaram na quarta-feira (30) a presença de “terroristas e mercenários” sírios e líbios a serviço da Turquia no conflito entre a Armênia e o Azerbaijão pela região de Nagorno-Karabakh.

    A denúncia aponta para uma súbita internacionalização do conflito, com potencial de transbordar para uma zona de interesse geopolítico que envolve potências regionais como a Turquia, além da própria Rússia, que é uma potência nuclear com pretensões hegemônicas no território do leste europeu e das ex-repúblicas soviéticas.

    A acusação de franceses e russos foi feita um dia depois de o governo da Armênia ter dito que a Turquia, que é aliada do Azerbaijão, derrubou um de seus caças SU-25.

    Para frear a escalada, os governos da França e da Rússia, que são próximos da Armênia, propuseram um encontro de cúpula entre os envolvidos no conflito, mas a proposta de diálogo foi rechaçada pelos armênios, com os combates entrando em seu quarto dia e o número de mortos passando à casa das centenas.

    Com os atores do conflito em Nagorno-Karabakh se multiplicando, cresce a importância de mapeá-los e entender as razões que liga cada país a essa dinâmica.

    As origens do conflito

    Nagorno-Karabakh, ou Alto Karabakh, é uma região de bosques e montanhas, que tem duas vezes o tamanho do Distrito Federal (no Brasil), incrustado na fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão. Mais de 150 mil pessoas vivem na região – a maioria, armênios – embora o território ocupe 13% do território que originalmente era do Azerbaijão.

    Mapa mostra a localização da Armênia, do Azerbaijão e de Nagorno Karabakh

    Uma parte de Nagorno-Karabkh, pouco habitada, é controlada por independentistas que proclamaram unilateralmente sua autonomia em 1991, sem reconhecimento internacional. Outra parte é povoada por civis, descendentes de armênios. É sobre essa outra parte que a Armênia exerce maior controle, contrariando interesses do Azerbaijão.

    O conflito envolve pretensões soberanistas de Nagorno-Karabakh e disputas pela demarcação da linha divisória na região, estabelecida em 1994 entre a Armênia e o Azerbaijão. Essa zona – que é palco de escaramuças periódicas de pequena envergadura –, converteu-se no final de setembro em uma súbita escalada do conflito, retomando ações militares mais robustas, como não acontecia desde 2016.

    Atores externos

    Rússia

    A Rússia compunha a maior parte da União Soviética, até a ruína do bloco, em 1991. Como tal, herdou a ascendência sobre as demais ex-repúblicas que compunham a URSS – como a Armênia e o Azerbaijão –, e exerce grande influência na política doméstica dos países menores em seu entorno. O país mantém uma base militar na Armênia e se opõe aos interesses do Azerbaijão.

    França

    A França tem papel ativo no Grupo de Minsk (que leva o nome da capital da Belarus, onde o grupo foi fundado, durante o encontro da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa, em 1992), juntamente com Rússia e EUA, para dirimir o conflito entre Armênia e Azerbaijão em Nagorno-Karabakh. O país tem uma comunidade formada por 600 mil armênios em seu território, o que coloca os franceses alinhados com os russos e os armênios contra o Azerbaijão.

    Turquia

    A Turquia tem laços culturais fortes com o Azerbaijão, a quem vem apoiando militarmente, em oposição à Rússia, à França e à Armênia. A abertura desse front coloca os turcos em oposição aos russos em três contextos, no total: Nagorno-Karabakh, Síria e Líbia. Apesar desse antagonismo forte, russos e turcos cooperam em diversos projetos comuns, especialmente na área energética na região.

    Quais as evidências de envolvimento estrangeiro

    A Rússia e a França não apresentaram provas do envolvimento de combatentes sírios e líbios, além das declarações, que ganharam repercussão imediata nos maiores jornais do mundo.

    “Os presidentes russo [Vladimir Putin] e francês [Emmanuel Macron] concordam sobre a necessidade de um esforço conjunto para alcançar um cessar-fogo, no âmbito do Grupo de Minsk. Eles também se preocupam com o envio de mercenários sírios pela Turquia a Nagorno-Karabakh”, disse a presidência francesa em comunicado.

    O jornal britânico The Guardian publicou reportagem na qual afirma que combatentes de grupos rebeldes sírios e líbios se alistaram numa empresa privada de segurança militar turca que vem agindo em Nagorno-Karabakh, em apoio às tropas do Azerbaijão.

    Por que mercenários sírios e líbios

    Síria e Líbia são dois países que atravessam longos conflitos armados internos não relacionados entre si, nos quais russos e turcos desempenham papéis preponderantes, em lados opostos.

    Na Síria, a Rússia apoia o presidente Bashar al-Assad, enquanto a Turquia apoia grupos rebeldes. Parte desses rebeldes é que estariam se alistando em empresas privadas de segurança turcas para dar apoio ao Azerbaijão contra a Armênia.

    Na Líbia, a Turquia apoia Fayez Al-Sarraj, que controla a capital, Trípoli, e lidera o que as Nações Unidas chamam de Governo de Unidade Nacional. A Rússia, por sua vez, apoia o marechal Khalifa Haftar, que avança com suas forças a partir do enclave de Tobruck e almeja unificar o país sob seu comando. Parte dos homens leais a Sarraj é que estariam se alistando ao lado da Turquia para apoiar o Azerbaijão contra a Armênia em Nagorno-Karanakh.

    É impossível prever se o conflito em Nagorno-Karabakh tomará a dimensão dos conflitos da Síria e da Líbia, que se arrastam há anos. Em comum, há o fato de os três terem iniciado como conflitos armados internos, com uma rápida internacionalização de sua dinâmica.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.