A vitória da série ‘Succession’ no Emmy da pandemia

Obra que explora jogos de poder de família bilionária levou quatro estatuetas na principal premiação da TV americana, com cerimônia adaptada em tempos de isolamento

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Temas

    A 72ª edição do Emmy, principal premiação da TV americana, aconteceu no domingo (20), sob o comando do comediante Jimmy Kimmel, numa cerimônia parte presencial, parte remota, em razão da pandemia do novo coronavírus.

    O principal prêmio da noite, o de Melhor Série Dramática, foi dado a “Succession, série da HBO que fala sobre os jogos de poder de uma família dona de um grande conglomerado de mídia e entretenimento.

    Os protagonistas de “Succession” são os membros da família Roy. A trama tem início quando a saúde do magnata octogenário Logan Roy (Brian Cox) é abalada e seus quatro filhos começam a tentar ascender dentro da hierarquia da empresa, para se eleger como sucessor do pai.

    As disputas revelam herdeiros titubeantes, de competência e caráter questionáveis, lidando com as transformações da era digital.

    A inspiração para ‘Succession’

    Criada pelo roteirista britânico Jesse Armstrong (“Black Mirror”), o projeto original era de um filme sobre a família Murdoch, principal acionista do News Corporation, conglomerado que tem entre suas propriedades os jornais The Wall Street Journal, The Sun, The Times, bem como a editora HarperCollins.

    Até 2019, o News Corporation também tinha entre suas propriedades a 21st Century Fox – empresa que comandava os estúdios de cinema 20th Century Fox e os canais de TV Fox , que acabou comprada pela Disney pelo valor de US$ 71,3 bilhões.

    Sem encontrar nenhum interessado pelo roteiro de seu filme, Armstrong refez o projeto no formato de série e, além de se inspirar na família Murdoch, incorporou na trama e nos personagens elementos das famílias Redstone (proprietária da Viacom CBS) e Sulzberger (que controla o jornal The New York Times).

    O desafio narrativo de ‘Succession’

    De acordo com o roteirista, um dos principais desafios de “Succession” é fazer com que o público em geral entenda as complexas estratégias de negócio e as dinâmicas de poder de um conglomerado.

    “É difícil acertar esse mundo e deixar ele compreensível ao mesmo tempo”, afirmou o roteirista ao jornal The New York Times em agosto de 2019. “O público precisa sentir que está dentro desse mundo sem que precisemos explicar todas as nuances”.

    O cineasta Adam McKay (“A grande aposta”) se juntou a Armstrong na empreitada e, em 2017, a HBO oficializou a produção de “Succession”.

    A recepção da crítica a ‘Succession’

    Desde a estreia, em junho de 2018, “Succession” tem sido elogiada pela crítica especializada. No Rotten Tomatoes, que reúne críticas de sites, jornais e revistas do mundo todo, a primeira temporada tem 88% de aprovação; a segunda, 97%.

    Em 2019, “Succession” já tinha sido indicada ao troféu de Melhor Série Dramática no Emmy, mas perdeu para “Game of Thrones”, também da HBO.

    Em 2020, além do grande prêmio, a série também levou os troféus de Melhor Roteiro em Série Dramática, Melhor Direção em Série Dramática e Melhor Ator em Série Dramática (para Jeremy Strong).

    A entrega do Emmy em meio à pandemia

    Com a pandemia do novo coronavírus, o Emmy teve que adaptar sua cerimônia. Apresentada diretamente do estádio Staples Center, em Los Angeles, a premiação teve o comediante Jimmy Kimmel sozinho no palco.

    Os indicados de todas as categorias estavam em suas casas. A entrega dos troféus foi feita de duas formas.

    Em algumas categorias, havia funcionários da Academia de Artes e Ciências Televisivas dos EUA na frente da casa de todos os indicados. Quando o vencedor era anunciado, sua estatueta era entregue; nos endereços dos demais concorrentes, os funcionários batiam em retirada. Já em outras categorias, os indicados receberam caixas surpresa e apenas uma delas continha o troféu.

    Com exceção dessas duas dinâmicas, a premiação não teve grandes novidades e tudo funcionou de maneira parecida com os anos anteriores – com exceção da plateia, vazia. Monólogos cômicos, participações especiais por vídeo e esquetes integraram a cerimônia.

    Outros destaques do Emmy 2020

    Nas categorias ligadas às séries de comédia, a grande vencedora do Emmy 2020 foi “Schitt’s Creek”, sitcom canadense que conta a história de uma família rica que perde toda sua fortuna e precisa se adaptar a uma nova realidade. A produção estreou em 2015 e teve seu episódio final exibido em abril de 2020.

    Nas minisséries, “Watchmen”, também da HBO, teve destaque, levando quatro estatuetas, incluindo Melhor Minissérie e Melhor Atriz em Minissérie (para Regina King).

    “Watchmen” é uma continuação da HQ de Alan Moore e Dave Gibbons publicada em 1986, que explora qual seria o impacto sociopolítico da existência de super-heróis e vigilantes mascarados.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.