O estrago da onda de incêndios para os animais do Pantanal

Queimadas atingiram áreas em que estão as maiores concentrações de araras-azuis e onças-pintadas no mundo. A fauna poderá levar de 20 a 30 anos para se recuperar completamente

    Os incêndios no Pantanal em 2020 já consumiram, até a segunda semana de setembro, 2,3 milhões de hectares, o que equivale a uma área dez vezes maior que as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro juntas. Nesse espaço estão diversas espécies animais que vêm sendo carbonizadas ou obrigadas a se deslocar por longas distâncias para fugir das chamas.

    Vários são os relatos de espécimes encontrados mortos em estradas e trilhas, como serpentes, jacarés, lagartos, jabutis, tamanduás e macacos. E os que sobrevivem exigem socorro veterinário, que demorou semanas a ser oferecido pelo poder público.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.