As brechas no modelo de hospitais de campanha na pandemia

Estruturas provisórias estão sendo desmontadas em várias cidades. Algumas tiveram pouco uso ou sequer receberam pacientes, mesmo diante da tragédia sanitária que já deixa mais de 130 mil mortos

    Passados seis meses de pandemia do novo coronavírus no Brasil, decretada em 11 de março pela Organização Mundial da Saúde, hospitais de campanha estão sendo desmontados por todo o país, depois de terem sido uma das apostas de governadores e prefeitos para o enfrentamento da crise.

    Os gestores atribuem a medida ao arrefecimento da emergência sanitária em suas regiões. Mas o balanço do quão acertada foi a aposta no modelo de estruturas provisórias para desafogar a demanda na rede hospitalar já existente ainda está sendo feito.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.