Como o governo Bolsonaro reafirma o conceito de pós-verdade

Expressão usada inicialmente nos anos 1990 é cada vez mais atual. O ‘Nexo’ ouviu dois especialistas em comunicação sobre a estratégia de desinformação do presidente e seus efeitos após um ano e nove meses de mandato

    “Um governo de mentiras”. Esse é o nome do ensaio em que o termo “pós-verdade” apareceu pela primeira vez. Escrito em 1992 pelo dramaturgo sérvio-americano Steve Tesich, o texto publicado na revista The Nation afirmava que, diante de sucessivos escândalos envolvendo a Casa Branca, o público dos EUA havia optado por ignorar “verdades inconvenientes”, passando a viver “em algum tipo de mundo da pós-verdade”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.