O plano de taxar livros num mercado editorial em crise

Proposta de reforma tributária do governo quer tributo sobre produtos, hoje isentos. Mudança atingiria um setor que há anos enfrenta dificuldades

    A primeira parte da proposta de reforma tributária do ministro Paulo Guedes, encaminhada ao Congresso no fim de julho, tem recebido oposição do mercado editorial.

    O projeto de Guedes unifica dois tributos federais sobre consumo: o PIS (Programa de Integração Social) e a Cofins (Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social), transformando-os em um único, chamado de Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços, a CBS.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.