Para além do Google Chrome: um minicatálogo de navegadores

Software da gigante da tecnologia é o preferido de mais de 80% dos brasileiros. Opções disponíveis exigem menos do computador

O Chrome, do Google, é o navegador de internet mais popular e utilizado do mundo.

Entre junho de 2019 e junho de 2020, o Chrome foi a opção de 65,47% dos usuários de internet do mundo, segundo dados publicados no site StatCounter. No Brasil, o percentual é ainda maior: 83,68% dos usuários optaram pela solução do Google no mesmo período.

Entre os trunfos desse navegador, estão a interface intuitiva e a conexão fácil com o Gmail (que tem cerca de 1,5 bilhão de usuários no mundo, segundo dados de 2019) e com outras plataformas do Google, como o YouTube, por exemplo.

Chrome, um devorador de memória

Apesar disso, o Chrome demanda muito do computador dos usuários, utilizando grandes quantidades de memória RAM – por meio da qual o processador armazena arquivos e programas usados temporariamente. Diferentemente do HD ou do SSD, que mantêm o conteúdo gravado até o momento em que o usuário decidir apagá-lo (pelo menos idealmente), a RAM é uma memória volátil: tudo aquilo armazenado por meio dela é apagado quando o computador é desligado.

O grande uso de memória RAM pelo Chrome pode causar lentidão, travamentos e fechamentos inesperados.

6 alternativas para o Chrome

Para os que querem se aventurar em novos navegadores, seja pelo consumo de RAM do Chrome ou por pura curiosidade, o Nexo lista abaixo seis alternativas que estão disponíveis gratuitamente.

Mozilla Firefox

Lançado em 2004 pela organização sem fins lucrativos Mozilla Foundation, o Firefox é conhecido por permitir a ampla personalização de recursos e também por oferecer uma gama de funcionalidades para proteger a privacidade do usuário.

O Firefox está disponível gratuitamente para Windows, Mac e Linux, bem como para celulares e tablets Android e iOS.

Microsoft Edge

Lançado em 2015 como o sucessor do extinto Internet Explorer, o navegador da Microsoft foi pouco expressivo por cinco anos, já que contava com uma interface pouco intuitiva e sem recursos presentes nos concorrentes.

O cenário mudou a partir de junho de 2020, quando a Microsoft lançou uma versão completamente reformulada do Edge, construída a partir do Chromium, a base de códigos de livre acesso usada pelo Google para criar o Chrome.

Por ter sido feito em cima do Chromium, o Microsoft Edge tem suporte para todos os aplicativos e plugins usados pelo concorrente, bem como uma interface muito similar a ele. A migração de dados do Chrome para o Edge é feita de maneira rápida.

O Microsoft Edge está disponível para Windows e Mac, bem como para celulares e tablets Android e iOS. Não há previsão para o lançamento de uma versão Linux.

Safari

Desenvolvido pela Apple em 2003, o Safari é conhecido por sua estabilidade, interface simples e por ter uma série de recursos de fábrica para proteger a privacidade do usuário e minimizar a coleta de dados por terceiros.

O Safari está disponível apenas para Mac, iPhone e iPad.

Opera

Desenvolvido em 1995 pela Opera Software, o Opera oferece aos usuários um bloqueador de anúncios, proteção contra vírus e arquivos maliciosos e uma VPN – sistema que mascara a real identidade do usuário, garantindo uma maior privacidade.

O Opera está disponível para Windows, Mac e Linux.

Vivaldi

Lançado em 2015 por ex-funcionários da Opera Software, o Vivaldi foi construído em cima do Chromium, do Google.

O navegador é conhecido por oferecer uma gama de funcionalidades para proteger a privacidade do usuário e também por permitir uma ampla personalização de interface.

O Vivaldi está disponível para Windows, Mac, Linux e celulares e tablets Android.

Tor

O navegador favorito daqueles que buscam o máximo de privacidade possível.

Criado em 2002, o Tor garante a anonimidade por criar uma longa rota para os dados do usuário.

Os dados do usuário saem do computador do usuário, passam por três “computadores fantasmas” e finalmente chegam ao site de destino. Durante toda a rota, os dados são completamente encriptados.

Por passar por uma longa rota, o Tor traz uma experiência significativamente mais lenta do que os navegadores tradicionais.

O Tor está disponível para Windows, Mac, Linux e celulares e tablets Android.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: