‘The Rental’: um terror do tipo clássico para a era do AirBnB

Ator Dave Franco faz sua estreia como cineasta em longa que mostra quatro amigos sendo perseguidos por um psicopata em uma casa de veraneio alugada por aplicativo

    Temas

    Para fugir da correria da cidade grande, um grupo de quatro amigos usa um aplicativo para alugar uma casa de praia.

    Você já deve ter visto essa história: logo os jovens percebem que há algo de errado e passam a correr por suas vidas quando um assassino mascarado decide matá-los.

    Essa é a premissa básica de “The Rental”, terror que marca a estreia do ator Dave Franco (“Truque de mestre”) por trás das câmeras.

    O longa foi lançado nos EUA em 24 de julho, exibido em alguns cinemas drive-in e disponibilizado em plataformas de video-on-demand, como Amazon e Google Play. No Brasil, é possível alugar o filme por meio da loja do iTunes, da Apple, e não há previsão para um lançamento nas telonas, dada a pandemia do novo coronavírus.

    Em sua estreia, “The Rental” conquistou a primeira posição nas bilheterias dos EUA, tanto na contagem feita nos cinemas que estão abertos (drive-ins ou não), quanto na arrecadação vinda de plataformas digitais.

    No site Rotten Tomatoes, que reúne críticas de veículos de comunicação do mundo todo, o longa tem 74% de aprovação. O consenso entre os críticos é que o longa mistura convenções do gênero de terror e cria uma experiência tensa para seus espectadores.

    De acordo com David Ehrlich, crítico do site IndieWire, Franco faz uma versão de “Psicose” para a era do AirBnB, em referência ao aplicativo que permite que usuários aluguem quartos e casas temporariamente com um simples toque de tela.

    Para Brian Tallerico, colaborador do site do crítico americano Roger Ebert, “The Rental” deixa claras as influências de Franco, mas é bom o suficiente para criar algo original em cima de convenções já consagradas.

    O desenvolvimento do filme

    Ao jornal The New York Times, Dave Franco, que co-assina o longa ao lado de Joe Swanberg (“Easy”), afirmou que a ideia para “The Rental” surgiu de suas próprias inseguranças em relação aos novos modelos de negócios propiciados por aplicativos como o AirBnB.

    “O país está mais dividido do que nunca, mas nós ficamos na casa de estranhos por causa de resenhas positivas?”, questionou. “Minha paranoia atingiu seu ápice. Quando fico em uma casa alugada, não me pergunto se vão haver câmeras no local. Me pergunto apenas se vou encontrá-las”, disse.

    Os quatro protagonistas são vividos por Dan Stevens (“A bela e a fera”), Alison Brie (“Community”), Jeremy Allen White (“Shameless”) e Sheila Vand (“Argo”). Além deles, o elenco só traz mais outros dois nomes: Toby Huss (“Halloween”), vivendo Taylor, o dono da casa; e Anthony Molinari (“Ford vs Ferrari”), que interpreta o assassino.

    Com um elenco diminuto e um orçamento de US$ 16 milhões, baixo para os padrões da indústria, as filmagens de “The Rental” aconteceram entre abril e maio de 2019, nas cidades de Bandon e Portland, ambas no estado americano do Oregon.

    Tensão escalante

    A tensão em “The Rental” é construída aos poucos, com pequenos focos de conflito entre os personagens crescendo ao ponto em que o terror mais agressivo pode se desenrolar.

    “Nosso objetivo desde o começo era de que os problemas pessoais dos personagens fossem tão vibrantes quanto o fato de que há um psicopata observando tudo das sombras”, disse o diretor ao canal de YouTube Behind the Curtain.

    Segundo Franco, desenvolver os dramas dos personagens antes do clímax gera empatia no público. “Você investiu tempo neles, você conhece eles. Então quando chega a hora de tudo ficar maluco, você se importa com o que vai acontecer e se eles vão morrer ou não”, afirmou.

    Além do ritmo e do desenvolvimento de personagens, o roteiro de Franco também aposta em deixar pontas soltas para potencializar a tensão e o medo que o público pode vir a sentir.

    Escritores e estudiosos do gênero tendem a concordar que o público sente mais medo daquilo que não pode ser visto ou compreendido, já que a imaginação acaba completando a ação que está sendo mostrada.

    Em diversos momentos, o roteiro de “The Rental” convida o público a preencher as lacunas entre as sequências.

    “Houve versões do roteiro no qual o vilão fazia grandes monólogos, mas jogamos tudo isso fora e apostamos em algo mais ambíguo, que, no fim das contas, nos alinhou com nossos objetivos e tornou tudo mais assustador”, afirmou Franco ao Behind the Curtain.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: