A carreira do radialista José Paulo de Andrade em 3 atos

Apresentador de ‘O pulo do gato’ morreu aos 78 anos em decorrência da covid-19. Ele ficou 57 anos no ar com o mesmo programa

    O radialista José Paulo de Andrade, apresentador desde 1973 do programa “O pulo do gato”, na Rádio Bandeirantes, morreu nesta sexta-feira (17), aos 78 anos.

    Andrade faleceu em decorrência da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Ele estava internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde 7 de julho.

    Em nota oficial, a Rádio Bandeirantes afirmou que o radialista deixará “um legado indiscutível, um vazio enorme e muitas saudades”. José Paulo de Andrade era casado e tinha dois filhos.

    Abaixo, o Nexo relembra três pontos marcantes da carreira do radialista.

    Entre a comunicação e o direito

    Em 1960, José Paulo de Andrade conseguiu um emprego na Rádio América, na capital paulista.

    Lá, ele exercia a função de radioescuta esportivo. Seu trabalho consistia em acompanhar os jogos de futebol e repassar resultados e outras informações importantes para os repórteres da rádio.

    Um ano depois, Andrade foi nomeado repórter na Rádio América, o que o aproximou ainda mais do jornalismo esportivo. Em 1962, sem muitas certezas em relação à carreira no rádio, ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, com o sonho de se formar advogado.

    A vocação para a comunicação, porém, fez com que Zé Paulo, como era chamado pelos amigos, trancasse a matrícula do curso para se dedicar integralmente à rádio. Ele só voltaria ao curso de direito uma década depois, recebendo o diploma em 1973 pela FMU (Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas), mas sem nunca exercer a profissão.

    Em 1963, deixou a Rádio América e foi trabalhar como repórter esportivo na Rádio Bandeirantes, emissora na qual ficou até sua morte.

    As décadas à frente de ‘O pulo do gato’

    Em 1973, quatro anos antes de se tornar diretor de jornalismo da Rádio Bandeirantes, José Paulo de Andrade começou a apresentar o programa “O pulo do gato”, no qual trazia as principais manchetes do dia, informações sobre trânsito, clima, movimento nos aeroportos, esportes e outras variedades.

    O programa foi ao ar de segunda a sábado, sempre no mesmo horário, das 5h30 até as 7h da manhã, por 57 anos, com Andrade no comando. A última edição apresentada pelo radialista foi ao ar em 5 de julho de 2020.

    Em 2018, o jornalista Cláudio Junqueira lançou o livro “Ninguém segura esse gato”, contando a história e os bastidores do programa.

    O pulo do gato” é um dos programas de maior audiência da Rádio Bandeirantes, ocupando o horário nobre da emissora – no rádio, o início da manhã é aquele com maior número de ouvintes.

    José Paulo de Andrade para além dos microfones

    Nas décadas em que trabalhou na Rádio Bandeirantes, José Paulo de Andrade não se limitou ao jornalismo esportivo.

    Em 1969, ele teve uma curta passagem pela TV Bandeirantes trabalhando como ator. Ele interpretou o protagonista da série “As aventuras do Zorro”, produção nacional que adaptava as histórias do herói criado em 1919 pelo americano Johnston McCulley.

    Na década seguinte, em 1977, foi nomeado diretor de jornalismo da Rádio Bandeirantes, cargo que exerceu até 1994. Nesse período, Andrade coordenou todas as equipes de repórteres da emissora e se dedicou especialmente à cobertura política de um país que se encaminhava para sair de uma longa ditadura militar.

    Nessa época, participou, como apresentador e comentarista, de programas como “Band Cidade”, “Jornal de São Paulo” e “Titulares da Notícia”, bem como de debates políticos da TV Bandeirantes.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: