Governo Bolsonaro e genocídio: da hipérbole aos alertas no exterior

Presidente e Gilmar Mendes tentam se acertar após crise entre ministro do Supremo e Forças Armadas. Mas administração federal é de fato alvo de representações internacionais por extermínio de populações

    Declarações do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, sobre a atuação de militares na pandemia do novo coronavírus, somadas à reação do Ministério da Defesa e das Forças Armadas, deram destaque a um tema que já vinha sendo apontado por entidades civis no país: a possibilidade de autoridades brasileiras, como o presidente Jair Bolsonaro, serem denunciadas por genocídio.

    Na terça-feira (14), em meio a uma crise inaugurada sábado (11) com os militares, Gilmar Mendes disse que a temática de “ameaça aos povos indígenas” é abordada com frequência na Europa. Ele citou a mobilização sobre o tema liderada pelo fotógrafo Sebastião Salgado “apontando que o Brasil pode estar cometendo genocídio”. “Então é este o debate”, disse o ministro do Supremo em evento do Instituto Brasiliense de Direito Público.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.