A digitalização que mostra ‘A última ceia’ em detalhes

Imagem em alta resolução da obra de Leonardo da Vinci, replicada por seus pupilos, foi disponibilizada online pela Academia Real das Artes britânica e o Google

Temas

“A última ceia”, de Leonardo da Vinci, concluída no final do século 15, é uma das obras de arte mais célebres da história. Ela retrata a cena bíblica em que, durante uma refeição com seus 12 apóstolos, Jesus Cristo revela que um dos presentes irá traí-lo, um dia antes de ser crucificado.

Feito com tinta a base de água e pintado em uma parede, o original de Da Vinci se deteriorou bastante com o tempo. Cerca de 20 anos depois da conclusão da obra, alunos do pintor produziram uma réplica com tinta a óleo, mais duradoura. Graças à cópia, atribuída a Giampietrino e Giovanni Antonio Boltraffio, o trabalho de Da Vinci pôde ser apreciado posteriormente.

A Academia Real das Artes britânica e o Google colocaram no ar uma imagem de altíssima resolução da réplica, que permite observar seus detalhes. O quadro faz parte da coleção da Academia Real, em sua sede em Londres, atualmente fechada para visitação pública por causa da pandemia.

Os detalhes na versão digital

A reprodução digital permite observar detalhes como os pés de Jesus Cristo, que não aparecem mais no original de Da Vinci, ou o saleiro caído ao lado do braço de Judas Iscariotes, alusão à superstição europeia de que sal derramado é um mau presságio.

Em nota sobre a obra, a Academia Real afirmou que “a genialidade de Leonardo Da Vinci está muito mais evidente na cópia”. “Os apóstolos estão dispostos em quatro grupos de três e há muitas interações sutis entre as figuras. Da Vinci acreditava que os gestos eram muito importantes para contar a história”, afirma o texto.

Há um passeio virtual guiado pela instituição que revela os detalhes citados, mas o usuário também pode fazer sua própria exploração em outra página. Também é possível fazer uma visita online ao museu.

A história da obra

“A última ceia” foi encomendada a Da Vinci como parte de um projeto de reforma do Convento de Santa Maria delle Grazie, em Milão, na Itália. Ludovico Sforza, duque de Milão, patrono de Leonardo, era o responsável pelo projeto.

Instalada originalmente no refeitório do convento, a cena retratada na pintura está em Evangelho de João, 13:21. Ao longo dos séculos, a obra ficou sujeita a danos e ao descaso. Uma reforma na sala arrancou a parte inferior da pintura, incluindo os pés de Jesus Cristo. Quando invadiu Milão, no final do século 18, o general francês Napoleão usou o refeitório do convento como estábulo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: