O curta-metragem de 1947 que antecipou a onipresença das telas

Filme francês projetou futuro da televisão em aparelhos portáteis, hoje comparáveis aos smartphones

Hoje constante, a presença de telas no cotidiano ainda era mínima durante primeira metade do século 20. Apesar disso, o curta-metragem francês “A televisão: Olho do amanhã” (“La télévision: Oeil de demain”, no título original), de 1947, foi capaz de imaginar com precisão a dominância de aparelhos móveis semelhantes aos smartphones no dia a dia da população.

Realizado pelo cineasta e jornalista J.K. Raymond-Millet (1902-1974), o filme de cerca de 24 minutos é uma espécie de híbrido entre o documentário e a futurologia.

O filme começa por apresentar as técnicas de produção televisiva na década de 1940, por meio da filmagem de um espetáculo de flamenco. Em seguida, especula sobre a evolução e as aplicações da televisão no futuro, encenando uma realidade na qual o consumo de informação e entretenimento ocorreria a qualquer momento, na rua ou no transporte, através de “televisões de bolso”.

Trechos do filme estão disponíveis em plataformas como o YouTube e têm chamado a atenção de espectadores contemporâneos. No clipe abaixo, não há legendas para o áudio em francês, mas é possível observar o comportamento familiar de pessoas fixadas em seus dispositivos a partir dos 20 minutos de rodagem.

O curta-metragem exibe, com um toque de humor, pessoas andando por aí com os olhos pregados em seus aparelhos, a ponto de trombarem umas nas outras ou quase serem atropeladas. Também é visionário ao citar a emergência de tecnologias que funcionariam como os videofones, a internet, o celular e equipamentos de televigilância.

As ideias por trás da obra

A projeção apresentada por Raymond-Millet não é obra exclusiva de sua imaginação. O cineasta se baseou em um ensaio do escritor de ficção científica francês René Barjavel (1911-1985).

Mais conhecido pela obra “A noite dos tempos”, Barjavel é autor de uma série de romances que, escritos a partir da década de 1940, imaginaram corretamente aspectos da vida no futuro.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: