3 boatos verificados esta semana para você ficar de olho

O ‘Nexo’ integra o Comprova, coalizão de 28 veículos jornalísticos que busca combater a desinformação

    As redes sociais são um importante meio de comunicação para cidadãos e governos, ao divulgar e esclarecer assuntos de interesse público. Mas nelas também se proliferam posts, imagens e vídeos fabricados, manipulados ou retirados de contexto que podem causar danos. É um ambiente em que conteúdos podem ser disseminados rapidamente, sem preocupações com fonte ou veracidade.

    Para combater a desinformação nas redes surgiu o Comprova, do qual o Nexo faz parte. A iniciativa, que teve início em 2018, está agora em sua terceira fase e conta com a colaboração 28 veículos de comunicação para monitorar e verificar conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do governo federal, as eleições municipais de 2020 e a pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

    Abaixo, o Nexo selecionou três verificações feitas pelo Comprova na semana que passou. Confira:

    Site engana ao afirmar que há consenso médico para tratamento da covid-19

    São enganosos o conteúdo e a proposta do site “Covid Tem Tratamento Sim”, lançado em junho. A página afirma que após meses de observação da doença causada pelo novo coronavírus em vários países, a comunidade médica internacional está convicta de que existe uma estratégia de tratamento para a covid-19, chamada de tratamento precoce. A afirmação, no entanto, não possui comprovação científica e tampouco anuência dos órgãos de saúde.

    O tratamento precoce consiste no uso de medicamentos — como a hidroxicloroquina, a azitromicina e a ivermectina —, no momento em que surgem os primeiros sintomas da doença, mas que não têm eficácia comprovada para pacientes com a covid-19.

    O site apresenta uma lista de médicos e autoridades médicas que estariam comprometidos com o tratamento precoce. O Comprova contatou algumas dessas pessoas e ninguém soube informar quem criou a página ou mesmo quem pagou para ela ir ao ar – uma delas não sabia nem que o endereço tinha sido lançado.

    O Ministério da Saúde e o Conselho Federal de Medicina informaram que, até o momento, não existem evidências robustas que possibilitem a recomendação de um tratamento 100% eficaz em pacientes com o novo coronavírus.

    Até a data de publicação desta verificação no site do Comprova, a página somava 38.760 interações.

    A verificação foi realizada por Uol, Folha de S.Paulo, Jornal do Comércio, Piauí, O Popular, A Gazeta, Correio do Povo e Gauchazh, e foi validada por outros veículos. Veja a verificação na íntegra.

    É falso que o governo do Ceará sabotou obra recém inaugurada por Bolsonaro

    Um vídeo que mostra dois motoristas de caminhão-pipa descartando um grande volume de água teve mais de 18 mil compartilhamentos nas redes sociais. As publicações afirmam que as imagens se referem a pessoas contratadas pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT), para sabotar um trecho da obra de transposição do rio São Francisco inaugurado no dia 26 de junho por Jair Bolsonaro.

    Segundo as publicações, os caminhões-pipa estariam retirando a água do canal recém-inaugurado pelo presidente para descartá-la, em um movimento de oposição a Bolsonaro.

    Buscas reversas no Google Imagens revelaram que o vídeo foi, na verdade, gravado em 2017 no estado de Alagoas durante a realização da Operação Carro-Pipa. Coordenada pelo Exército, a operação objetivava distribuir água potável às populações atingidas pela estiagem na região.

    O batalhão responsável pela operação foi questionado sobre o vídeo. Em resposta, reiterou que o vídeo data de 2017 e que, naquela ocasião, os motoristas tiveram um problema mecânico – o peso do caminhão-pipa impossibilitou o prosseguimento da viagem, o que levou ao descarte de um grande volume de água.

    Até a data de publicação desta verificação no site do Comprova, o vídeo tinha sido visualizado mais de 265 mil vezes.

    A verificação foi realizada por AFP e Rádio Band News FM, e validada por outros veículos. Veja a verificação na íntegra.

    Publicação engana ao afirmar que o Exército construiu uma ponte em 24 horas a pedido do governo de Goiás

    Uma postagem que afirma que o Exército construiu uma ponte em 24 horas a pedido do governo de Goiás viralizou nas redes sociais esta semana. Segundo o post, o governo estadual, sem recursos para realizar uma obra destinada ao escoamento de produtos agrícolas, teria solicitado auxílio ao Planalto — que imediatamente teria enviado a engenharia militar para realizá-la. As informações, no entanto, são enganosas.

    A assessoria de comunicação do governo de Goiás informou que a obra em questão foi realizada em 2019, após o rompimento de um bueiro interditar uma ponte na rodovia GO-060. Nessa ocasião, o governador Ronaldo Caiado (DEM) efetuou uma parceria com o Exército para viabilizar a instalação de uma ponte provisória no local, até que a recomposição do bueiro rompido fosse concluída.

    Após 16 dias da concretização da parceria, a estrutura provisória foi concluída e o tráfego de veículos foi liberado pelo Exército. Poucos meses depois, com o fim das obras de recomposição do bueiro, a estrutura construída pelos militares foi desmontada.

    Até a data de publicação desta verificação no site do Comprova, a postagem tinha sido visualizada mais de 561 mil vezes e somava 32,6 mil compartilhamentos no Facebook.

    A verificação foi realizada por O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, e validada por outros veículos. Veja a verificação na íntegra.

    Você recebeu algum conteúdo sobre o novo coronavírus que gerou dúvida e gostaria que o Comprova checasse? Envie uma mensagem de WhatsApp para (11) 97795-0022 ou pelo site do Comprova.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.