Como Bolsonaro usa a infecção pela covid-19 a favor de sua agenda

Ao anunciar diagnóstico, presidente divulga tratamento com hidroxicloroquina, derivado da cloroquina, remédio sem eficácia comprovada. Ao ‘Nexo’ dois médicos analisam os impactos da atitude do chefe do Executivo federal

    Temas

    Um dos poucos chefes de Estado no mundo que minimizam a gravidade da pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro disse na terça-feira (6) ter sido diagnosticado com a covid-19. Ele afirmou ter manifestado sintomas leves da doença causada pelo novo coronavírus, como febre baixa e tosse. Também disse ter decidido tomar hidroxicloroquina, remédio que não tem comprovação científica contra o vírus e que pode causar efeitos colaterais.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.