Como a pandemia alterou a reforma de Estado de Guedes

Apresentados no final de 2019, projetos eram pontos centrais da agenda do ministro para 2020. Crise sanitária e econômica tirou a prioridade e levou a mudanças nas propostas

    Em 22 de outubro de 2019, o Senado aprovou a reforma da Previdência. A promulgação do texto nos primeiros dias de novembro marcou o fim de um longo processo de tramitação e negociação no Congresso.

    Apesar de alterações e da desidratação sofrida – a previsão de economia do governo caiu de R$ 1,237 trilhão em dez anos para R$ 800 bilhões –, a aprovação foi uma vitória para o ministro da Economia, Paulo Guedes. Afinal, mudar a Previdência era a grande prioridade de Guedes em seu ano de estreia como ministro de Jair Bolsonaro.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.