Qual o poder de mercado dos aplicativos de entrega

Paralisação de entregadores reivindicou melhores condições de trabalho. Poucas empresas dominam um setor que emprega milhões de pessoas no Brasil

    Entregadores de aplicativos de entrega como Rappi, iFood e Uber Eats fizeram na quarta-feira (1°) uma greve nacional. Protestos foram registrados em mais de uma dezena de cidades pelo país, reivindicando melhores condições de trabalho.

    Os entregadores não mantêm vínculo trabalhista com as empresas, que afirmam ser apenas mediadoras entre consumidores e prestadores de serviço. Os trabalhadores ganham por serviço e não têm direito a cobertura de saúde ou férias. Eles entram na categoria definida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) como trabalhadores por conta própria sem CNPJ registrado – grupo que reunia quase 20 milhões de pessoas antes da pandemia.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.