Covid-19: como a fadiga da quarentena afeta a prevenção

O 'Nexo' conversou com um neurocientista e com uma economista comportamental para entender como a percepção de risco se altera ao longo da pandemia

    Os casos mais bem sucedidos de combate ao novo coronavírus, como a Nova Zelândia, demonstram que a contenção da propagação viral depende tanto de medidas tomadas pelos governantes quanto de um pacto social: o comprometimento das pessoas com a saúde comunitária.

    No Brasil, o isolamento social, apontado pela comunidade científica como maneira mais eficaz de conter a propagação das contaminações, começou a ser adotado por governadores e prefeitos em meados de março. Mas esse isolamento nunca foi radical e tampouco contou com adesão maciça da sociedade.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.