A plataforma que se define como a ‘Netflix pós-capitalista’

Serviço de streaming traz documentários, podcasts e programas de humor com ideias e temas ligados à esquerda. Um dos objetivos é combater a influência da direita no YouTube

O primeiro serviço de streaming “pós-capitalista e de propriedade de trabalhadores” do mundo foi lançado em fevereiro nos Estados Unidos. É assim que se descreve a Means TV, uma plataforma de conteúdo crítico ao capitalismo, às grandes corporações e à desigualdade social.

A plataforma traz documentários, podcasts, programas ao vivo, desenhos animados, análises das notícias e muitos vídeos de humor, entre outras categorias.

Entre as animações, um dos destaques é “Sprinkes & Wrinkles”, com dois gatos marxistas que confabulam para derrubar do poder seu dono. Nos vídeos de humor, há um com dicas sobre como sobreviver ao sistema de saúde público americano.

Entre os documentários, “The Iron Triangle” aborda o impacto da gentrificação em pequenos negócios em uma área do bairro de Queens, em Nova York.

Quem são os fundadores da plataforma

Os fundadores do site são Naomi Burton e Nick Hayes, responsáveis por um vídeo de campanha da deputada federal americana Alexandria Ocasio-Cortez que teve mais de 1,2 milhão de visualizações. “Levamos a ela o arco da história e o resumo da ideia para o vídeo”, afirmou Burton ao site Huck Magazine. “Ela então nos ajudou muito a desenvolver os elementos narrativos que se relacionavam com sua experiência”.

No mesmo ano, o casal começou a desenvolver a ideia de um serviço de streaming para veicular ideias e conceitos ligados à esquerda. Em menos de um ano, conseguiram levantar cerca de US$ 200 mil para montar a plataforma.

Uma ajuda fundamental veio dos criadores do meme Nyan Cat, que cederam seu canal de YouTube para a Means TV (o canal passou a se chamar Means TV). Com quase 180 milhões de visualizações, o vídeo do Nyan Cat é frequentemente recomendado pelo algoritmo do YouTube. Isso fez com que muitas pessoas chegassem ao conteúdo da Means TV.

“Basicamente, é uma Netflix anticapitalista, gerenciada como uma cooperativa”, afirmou Naomi Burton, ao site de notícias The Intercept. O objetivo é “ajudar a criar a fundação cultural e apoio para a construção do socialismo nos EUA”. Além disso, os fundadores da plataforma querem contribuir para diminuir a influência no YouTube de vídeos da direita, que conseguem milhões de espectadores.

A Means TV pretende se sustentar por meio de assinaturas, ao preço sugerido de US$ 10 mensais. Segundo a plataforma, o usuário paga o que ele puder pagar, inclusive nada. A iniciativa está disponível em agregadores de serviços de streaming como Apple TV e Roku. Os vídeos também podem ser vistos no YouTube, no canal da Means TV.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: