Público e privado: a disputa por leitos de UTI na pandemia

Sobrecarga no Sistema Único de Saúde ocorre primeiro que na rede privada de hospitais. Lei autoriza mecanismos de transferência de leitos

    Um dos fatores determinantes para a gravidade da crise sanitária provocada pelo novo coronavírus é a permanência mais longa de pacientes da doença em leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).

    Pessoas infectadas que atingem um quadro mais grave da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, costumam precisar de tratamento com respiradores mecânicos e outros equipamentos médicos por mais tempo do que no caso de outras doenças. Com isso, a rotatividade da ocupação dos hospitais é menor, e um número maior de leitos é necessário para dar conta dos doentes.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.