Os efeitos da pandemia no ensino médio e na realização do Enem

Escolas de todo o Brasil estão fechadas, mas impacto entre alunos das redes pública e privada é desigual. MEC é contra adiar exame, apesar de pedidos de secretarias estaduais

    O cronograma do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2020 virou alvo de uma disputa entre secretários estaduais de Educação, que pedem o adiamento da prova por causa da pandemia do novo coronavírus, e o ministro Abraham Weintraub, contrário à mudança. O embate acabou na Justiça, que decidiu pela manutenção do calendário do exame.

    Porta de entrada para as universidades públicas federais do país, a prova física estava marcada para 1º e 8 de novembro. A versão digital, que será testada pela primeira vez, ocorreria em 11 e 18 de outubro. Ainda não há uma nova data definida para a realização dos exames. Em 2019, 5 milhões de pessoas se inscreveram, e 3,9 milhões foram fazer o Enem. A taxa de participação foi de 77%, a maior desde 2009.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.