A diplomacia paralela da compra de respiradores pelo Maranhão

Receita investiga governo do estado por encomenda trazida da China via Etiópia para atender vítimas do coronavírus. Ao ‘Nexo’ especialista comenta o que o episódio sinaliza sobre relações entre países do Sul global

O governo do estado do Maranhão recebeu, no dia 14 de abril, um carregamento da China com 107 respiradores e 200 mil máscaras. A encomenda foi feita para equipar hospitais e profissionais de saúde durante a pandemia do novo coronavírus que até terça-feira (21) havia deixado mais de 2.700 mortos no Brasil, 60 deles no Maranhão.

Para garantir que o carregamento, avaliado em R$ 6 milhões, chegasse intacto ao destino, o governo estadual recorreu a uma rota incomum. O governador Flávio Dino (PCdoB) fez com que os insumos passassem pela Etiópia, no Chifre da África, antes de chegar a Guarulhos, no Aeroporto Internacional de São Paulo. De lá, o material foi num voo fretado até São Luís. Com isso, os maranhenses driblaram dois entraves que, no passado, já haviam abortado operações semelhantes.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.