A popularidade de Bolsonaro na pandemia sob análise

Líderes mundiais melhoraram seus índices de aprovação durante a crise, mas brasileiro se mantém estagnado. O ‘Nexo’ ouviu dois cientistas políticos para avaliar a dinâmica nacional

    Um levantamento realizado pela plataforma de dados Núcleo e pelo site Brazilian Report divulgado no dia 4 de abril mostrou como a pandemia do novo coronavírus está influenciando positivamente a avaliação de líderes mundiais pelas populações de seus países. O trabalho reuniu pesquisas realizadas do fim de 2019 a meados de março de 2020.

    Na Itália, que concentra grande parte dos casos de coronavírus na Europa, uma pesquisa do fim de março, do Instituto Ixè, registrou um aumento de nove pontos percentuais na confiança da população em relação ao primeiro-ministro Giuseppe Conte. O primeiro caso da doença no país foi registrado em fevereiro. O isolamento social em todo país começou em 8 de março.

    No Chile, Sebastián Piñera, que enfrenta uma onda de protestos deste outubro de 2019, tinha apenas 6% de aprovação em janeiro de 2020. Pesquisas do Instituto Cadem/Plaza Pública, entre 13 e 27 de março, registraram aumento de nove pontos percentuais na sua aprovação. O presidente decretou estado de exceção no país em 18 de março e a medida é válida por 90 dias.

    Na Grã-Bretanha, segundo pesquisa da Ipsos-Mori, o primeiro-ministro Boris Johnson viu sua popularidade subir na primeira semana de março. Em pesquisas mais recentes, entre os dias 18 e 23 de março, o YouGov detectou um aumento de 12 pontos percentuais de sua popularidade, saindo de 43% de aprovação para 55%. Johnson agiu inicialmente com desdém ao novo coronavírus. Depois, mudou sua política e defendeu o isolamento social. Ele chegou a ser internado após ser infectado pelo vírus.

    A estagnação no Brasil

    No Brasil a situação é distinta. O presidente Jair Bolsonaro mantém sua taxa de avaliação ótima ou boa na casa dos 30% desde 2019. O número é registrado desde abril de 2019 pelo instituto Datafolha. Ao longo do primeiro ano de mandato, os índices variaram pouco. Em nenhuma das pesquisas Bolsonaro registrou índice maior de 35%.

    ANTES DA CRISE

    Avaliação de Bolsonaro em pesquisas

    O Datafolha realizou pesquisas específicas sobre a gestão de Bolsonaro na pandemia. Entre 18 e 20 de março os números mostravam que Bolsonaro tinha aprovação de 35%. Duas semanas depois, mostrou oscilação para baixo, com o percentual de ótimo/bom em 33%. Na sexta-feira (17), oscilou para cima, chegando a 36%. As variações ficam dentro da margem de erro da pesquisa. Os que consideram a condução da crise ruim ou péssima foram de 33% em março para 38% em 17 de abril.

    DURANTE A CRISE

    Índice de avaliação de Bolsonaro na pandemia

    Em contraposição ao presidente, o desempenho ótimo/bom do Ministério da Saúde, então conduzido por Luiz Henrique Mandetta, bateu 76% na pesquisa de abril, ante 55% na pesquisa realizada entre 18 e 20 de março. Na pesquisa feita em 17 de abril, 64% dos entrevistados afirmaram que Bolsonaro agiu mal ao demitir Mandetta.

    Perda de influência nas redes

    No Twitter, ferramenta usada na estratégia de ação bolsonarista desde as eleições de 2018, o presidente tem registrado queda de influência. Essa queda começou a ser registrada no segundo trimestre de 2019, mas a situação piorou com o início da pandemia, decretada em 11 de março de 2020 pela Organização Mundial da Saúde. Os dados levam em conta o engajamento de suas publicações e dos grupos que o apoiam, a partir das curtidas e retuítes.

    Alguns fatos, como a participação de Bolsonaro nas manifestações do dia 15 de março mesmo sob suspeita de estar contaminado pelo novo coronavírus e a insistência em chamar a covid-19, doença causada pelo vírus, de “gripezinha”, como fez no pronunciamento em rede nacional do dia 24 de março, ajudaram a derrubar sua influência nas redes, segundo levantamento da consultoria Bites.

    Duas análises sobre a avaliação de Bolsonaro

    O Nexo conversou com dois cientistas políticos para entender como a popularidade de líderes pode ser afetada durante crises e pandemias, e por que Bolsonaro está estagnado em um cenário global.

    • Carlos Pereira é professor de ciência política da FGV-RJ
    • Celi Regina é professora emérita da UFRGS

    É natural a popularidade de líderes crescer em guerras ou pandemias? Como isso se explica?

    Carlos Pereira Qualquer choque exógeno, como uma pandemia, uma catástrofe ou desastre natural, são oportunidades que líderes políticos têm de unificar o país, em cima dessa imagem de unificação nacionalista, como forma de diminuir a tensão dos polos e unificar os interesses do país em uma agenda específica. Isso não cabe a Bolsonaro. Mesmo em situação de calamidade, ele não busca o eleitor mediano, com receio de desagregar o seu núcleo duro.

    Celi Regina Isso depende muito do contexto de cada país. Em geral, a tendência é que o inimigo externo, seja uma guerra ou um vírus, una as pessoas ao redor do líder. Margareth Thatcher [primeira-ministra], que tinha uma péssima popularidade na Inglaterra, cresceu muito com a guerra das Malvinas, ainda que essa guerra não tivesse sentido. Grandes tragédias e desastres fazem com que as diferenças diminuam entre a população.

    O que explica a manutenção da popularidade de Bolsonaro?

    Carlos Pereira Bolsonaro preferiu montar um governo minoritário, que não tem maioria no Parlamento. Em decorrência disso, teve como única alternativa a comunicação direta com a sociedade, especificamente com um dos seus polos, um núcleo duro de eleitores conservadores que, para o cálculo de Bolsonaro e seus aliados, seria suficiente para torná-lo competitivo nas próximas eleições. Se ele conseguir manter esse núcleo coeso e unido, que corresponde a 25%, 30% dos eleitores brasileiros, ele tende a perder o eleitor mediano. A popularidade não cresce, mas preserva a unidade e a militância de um grupo muito forte, capaz de militar em cima das suas causas. Essa é a estratégia.

    É o contrário do que aconteceu com outros líderes, que não enfrentam uma condição minoritária. O Trump é minoritário na Câmara, mas não no Senado. Ele tem pressões da sociedade que o fazem buscar o eleitor mediano e ajustar sua estratégia, que também é polarizada, mas com adaptações a depender da questão em voga. Bolsonaro não tem esse grau de liberdade. Ele não tem condições de fazer essa mediação porque, ao fazer isso, corre o risco de perder o seu polo extremo.

    Celi Regina Acredito que seja a falta de oposição política, em termos de liderança. O Bolsonaro se constitui como um candidato viável a partir da desestruturação do sistema político, especialmente do PT e PSDB.

    Houve uma diminuição de apoio entre a classe média mais culta, que é importante para Bolsonaro porque é formadora de opinião. Por outro lado, há uma outra parcela, que perdeu consumo e poder econômico, que não está na extrema direita, mas se mantém firme ao presidente. Esse jeito “popular” do Bolsonaro, que fala mal, desobedece, xinga jornalista, ofende outros políticos, alimenta um ressentimento dessas pessoas, que geralmente estão em crise, desempregadas. É um sentimento comum no Brasil neste momento.

    Bolsonaro está no jogo presidencial de 2022 em que condições? Quem hoje é seu principal opositor?

    Carlos Pereira Está no jogo, não há dúvida. Bolsonaro, ao apostar em polo, precisa de um antagonista também polar. O presidente ficou desesperado porque, durante a crise, o PT sumiu. O partido, aliás, se perdeu em uma agenda “Lula livre” com o ex-presidente já estando livre. Não ofertou nenhuma política concreta ou oposição ao que foi apresentado por Bolsonaro ou pelo governo, já que ele tinha uma política X e o Ministério da Saúde tinha um política Y. O PT não aproveitou nem mesmo essa bifurcação para fazer uma oposição sólida.

    Consequentemente quem emergiu como oposição não foi o seu polo extremo, a esquerda, mas a centro direita, especialmente na figura dos governadores de estado, com João Doria (PSDB), em São Paulo, e o Wilson Witzel (PSC), no Rio de Janeiro. Esses governadores, que até então eram figuras regionais, ocuparam espaço nacional relevante e hoje rivalizam com o bolsonarismo.

    Se esse cenário no qual a esquerda não oferta um candidato competitivo se confirmar, a maior probabilidade é que Bolsonaro esteja em apuros nas eleições de 2022, porque ele precisa do extremo para conseguir se viabilizar.

    Celi Regina Se você me perguntasse há dois meses, diria que sim [está no jogo para 2022]. Hoje, não sei. Por mais que estejamos prestando atenção, estamos todos pouco informados sobre o que vai ser daqui para frente no Brasil. Esse vírus vai se espalhar ainda mais? Vai haver outra guerra do Bolsonaro com o novo ministro da Saúde? Ninguém sabe o que será do país daqui seis meses.

    Bolsonaro pode perder toda a sua capacidade de governo se ele começar a enfrentar demais o Congresso Nacional ou Supremo. É difícil saber se ele é ou não candidato viável para 2022, e a reeleição é a sua principal aposta.

    A única alternativa até agora a Bolsonaro está na direita; é o Doria. Ele está se cacifando e isso deixa o presidente desesperado. Ele está se tornando o candidato da direita mais cultivada, intelectualizada e científica. No espectro da esquerda, está tudo muito confuso. Lula certamente não será candidato. [Fernando] Haddad? Ciro [Gomes]? Ninguém sabe. Doria pode vir mais ao centro, o que também é uma possibilidade. Ele é muito mais palatável para a direita do que Bolsonaro neste momento.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.