O que há de político na defesa presidencial da cloroquina

Medicamento que ainda não teve eficácia comprovada no tratamento da covid-19 tem aparecido com cada vez mais frequência no discurso de Bolsonaro

    A recusa de Luiz Henrique Mandetta em assinar um decreto pela liberação da cloroquina para tratamento da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, na noite desta segunda-feira (6), pôs o ministro da Saúde mais uma vez em oposição a Jair Bolsonaro. Mesmo sob o risco de ser demitido, Mandetta não tem endossado a utilização do medicamento, que é adotado em casos graves da doença em alguns hospitais do país mas ainda não teve a eficácia no combate ao coronavírus comprovada por estudos.

    O presidente, por sua vez, tem defendido o remédio em repetidas declarações à imprensa e também em suas redes sociais. A aposta na cloroquina acontece ao mesmo tempo em que Bolsonaro se posiciona contra medidas de enfrentamento à pandemia que são praticamente consenso entre autoridades sanitárias e especialistas, como o distanciamento social.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.