Os penetras virtuais do Zoom. E dicas de segurança

Com o trabalho remoto, é preciso adotar boas práticas para manter a integridade das informações

    O aplicativo Zoom registrou, no mês de março de 2020, um número médio de downloads 12 vezes maior do que o habitual. Dado o isolamento social causado pelo novo coronavírus, o Zoom se tornou um dos aplicativos favoritos para ser usado em reuniões de trabalho e em aulas a distância. Ele é gratuito e comporta reuniões de até 100 pessoas simultaneamente.

    O Zoom, contudo, tem sido alvo de ataques de pessoas mal intencionadas que invadem reuniões para as quais não foram convidadas. Nos EUA, numa escola de Massachusetts, uma aula foi interrompida por um homem que entrou na sala virtual e mostrou suas tatuagens, no formato da suástica nazista. Em outra escola, do mesmo estado, a aula foi interrompida por um ex-aluno que gritou obscenidades e revelou o endereço da professora.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.