Ir direto ao conteúdo

O isolamento vertical defendido por Bolsonaro sob análise 

Na contramão do resto do mundo, presidente cita abordagem que isola apenas grupos de risco. O ‘Nexo’ falou com dois virologistas sobre a estratégia, que já foi descartada no Reino Unido

    O presidente Jair Bolsonaro defendeu o “isolamento vertical” como estratégia de enfrentamento do novo coronavírus. Diferentemente da estratégia de isolamento total, pregada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e amplamente adotada em dezenas de países atingidos pela doença, essa abordagem propõe isolar apenas pessoas pertencentes aos grupos mais vulneráveis diante da covid-19.

    Conversei por alto com [o ministro da Saúde Luiz Henrique] Mandetta (...) A orientação vai ser o vertical daqui para frente. Vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com Mandetta, disse Bolsonaro na frente do Palácio da Alvorada, à imprensa, nesta quarta-feira (25).

    Na terça-feira (24), em um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, Bolsonaro questionou a abordagem conhecida como supressão. Adotada pelos governos de estados como São Paulo e Rio de Janeiro, ela inclui a restrição da circulação de pessoas no espaço público, o fechamento de escolas e do comércio não-essencial e a recomendação de que pessoas trabalhem de casa. O presidente condenou o que chamou de “confinamento em massa”, afirmando que pessoas mais jovens e saudáveis não precisam se preocupar com a covid-19.

    As reações às declarações

    Em carta, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde declarou que a fala de Bolsonaro “dificulta o trabalho de todos, inclusive de seu ministro e de técnicos”. Segundo o documento, as afirmações do presidente deixaram os secretários “estarrecidos”. Em nota, a Sociedade Brasileira de Infectologia, afirmou que as declarações do presidente “podem dar a falsa impressão à população que as medidas de contenção social são inadequadas e que a covid-19 é semelhante ao resfriado comum, esta sim uma doença com baixa letalidade”.

    Questionado sobre a abordagem de isolamento vertical proposta por Bolsonaro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, desconversou e citou diversas estratégias de enfrentamento do vírus, sem condenar nem recomendar diretamente a fala do presidente. Ele também criticou as medidas de quarentena adotadas por governadores.

    “Temos que melhorar esse negócio de quarentena, não ficou bom. A última quarentena foi em 1917. É normal, faz parte dessa situação, nós errarmos, calibrarmos e fazermos projeções um pouco fora e questionáveis por A, B ou C. A quarentena é um remédio extremamente amargo e duro”, afirmou à imprensa.

    Na quarta-feira (25), o Brasil contava com 57 mortos e 2.433 casos confirmados da covid-19, segundo o Ministério da Saúde. Os números têm crescido a cada dia. Uma semana antes, em 18 de março, eram 4 mortos e 428 casos no país.

    Quem defende o ‘isolamento vertical’

    Entendida por especialistas como medida de mitigação, a restrição parcial da circulação de pessoas no combate ao coronavírus conta com poucos defensores na comunidade científica. Para a maior parte dos especialistas, faltam dados e estudos sobre esse tipo de abordagem e seus impactos na saúde pública, o que a tornaria uma proposta muito arriscada.

    O principal argumento de quem se opõe ao distanciamento social amplo – que inclui todos os moradores de um local, exceto profissionais considerados essenciais – é que a população em geral tem sido pouco afetada pela doença e que seria possível combater seu avanço sem impactar a economia e a sociedade de forma tão dura.

    É o que argumenta o médico americano David L. Katz, diretor do Centro de Pesquisa e Prevenção Yale-Griffin. Em artigo para o jornal The New York Times, ele afirmou que “as conseqüências sociais, econômicas e de saúde pública desse colapso quase total da vida normal – escolas e empresas fechadas, reuniões proibidas – serão duradouras e calamitosas, possivelmente mais graves do que o custo direto do próprio vírus”.

    Na mesma linha vai Steven Woolf, diretor emérito no Centro de Sociedade e Saúde na Virginia Commonwealth University, citado por um articulista do jornal The New York Times. “A resposta da sociedade à covid-19, como fechar negócios e bloquear comunidades, pode ser necessária para conter a disseminação na comunidade, mas pode prejudicar a saúde de outras maneiras, custando vidas. Imagine um paciente com câncer que precisa adiar a quimioterapia porque a unidade está fechada. Ou um paciente com enfisema avançado que morre por falta de uma instalação com um ventilador”, pontuou.

    O isolamento vertical, no entanto, nunca foi tentado na prática em nenhum país. O Reino Unido ensaiou adotar o método, mas voltou atrás diante de projeções que indicaram que ele poderia levar a um número grande de mortes. Além disso, especialistas afirmam que, na prática, a estratégia traria enormes dificuldades de implementação.

    As abordagens para conter o vírus

    O Nexo conversou com dois especialistas sobre as diferentes abordagens no controle da pandemia.

    • Eduardo Flores é virologista e professor no curso de Medicina Veterinária na UFSM (Universidade Federal de Santa Maria)
    • Rômulo Neris é virologista pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e pesquisador-visitante na Universidade da Califórnia, Davis

    Como avalia as falas de Bolsonaro a respeito de medidas de quarentena?

    EDUARDO FLORES Bolsonaro está na contramão de milhares de autoridades sanitárias e cientistas de todo mundo. [Que pedem] o isolamento de tantas pessoas quanto for possível, com toda pessoa cuja função não seja essencial evitando o contato e ficando em casa, para que outras pessoas cuja função é essencial possam circular – por exemplo, pessoas que trabalham no setor de alimentos, o frentista do posto de gasolina. Esses são essenciais e não podem ficar em isolamento. Todos os demais, cuja atividade não seja essencial para o mínimo funcionamento da sociedade, devem ficar em reclusão. Está demonstrado que deu certo nos países que fizeram isso. O Bolsonaro está indo na contramão de milhares de autoridades sanitárias, de evidências de países que fizeram isso e eventualmente a epidemia cedeu.

    RÔMULO NERIS As falas do Bolsonaro têm sido muito desencontradas em relação à realidade do surto que vivemos dentro do país e do status da pandemia, mundialmente falando. Vão na contramão de todos os veículos oficiais de saúde do governo federal, das medidas adotadas pelas secretarias de saúde dos municípios e dos governos estaduais e até do próprio Ministério da Saúde. Isso é um problema muito grande. Logo depois que a gente teve o primeiro caso no Brasil, o Ministério da Saúde tomou uma série de medidas muito acertadas, de decidir testar todo mundo que viesse de países de risco, em voos internacionais, de adiantar o calendário de vacinação da gripe para a gente poder diferenciar mais facilmente os casos na clínica, de anunciar pacotes emergenciais para compra de insumos, de diminuir taxação e tarifas de produtos hospitalares e produtos de pesquisa para poder fazer diagnósticos, pesquisa e tratamento da covid-19.

    Mas, desde que Bolsonaro assumiu essa postura negacionista, ele tem colocado uma pressão muito grande nas costas das agências de saúde, dando a elas um protagonismo quase que de vilão nessa história e que tem prejudicado certamente as ações que o Ministério da Saúde tem tomado até então. A gente já mudou alguns protocolos, estão dando prioridade aos testes para indivíduos com sintomas, e estão em estado grave, ou que tem histórico de contato com pacientes infectados, então não temos mais a capacidade teórica de testar todo mundo como a gente tinha previsto inicialmente.

    O isolamento vertical tem embasamento científico? É isso que está sendo proposto por Bolsonaro?

    EDUARDO FLORES Nesses países que fizeram o isolamento horizontal, foi feito também o isolamento vertical. Ou seja, tem isolamento horizontal e, além disso, foram isolados idosos. Nosso isolamento deve também seguir isso. Além de ficar em casa, evitar contato com outras pessoas, evitar aglomerações, evitar sair a não ser que seja muito necessário, devemos também evitar contato com nossos idosos, nossos pais, nossos avós. O isolamento vertical sozinho nunca ninguém tentou. O que se tentou foi isolamento horizontal com isolamento maior ainda vertical. Isso têm dado certo em muitos países.

    O que o pessoal não se dá conta é que todas as outras doenças contra as quais os SUS já era precário vão continuar existindo, como influenza, hepatite B, problemas respiratórios de crianças, diarreia, dengue, HIV, tudo isso vai continuar seguindo. Então não é que essas doenças foram substituídas pela covid-19. O que o Ministério da Saúde está tentando fazer é achatar a curva. Se tivermos 10 milhões de pessoas infectadas no total que não seja num único mês, que sejam ao longo de um ano. Se não, pode haver um colapso do sistema de saúde.

    RÔMULO NERIS O que a equipe de Bolsonaro chama de isolamento vertical é o que classificamos como medida de mitigação. Quando você tem esses casos de surtos de doenças que são infecto-contagiosas, principalmente que são contagiosas por contato ou por partículas tipo gotículas de espirro, da tosse, o que acontece é que você tem três maneiras principais de lidar com a população para tentar controlar o surto. O primeiro é você não fazer nada. O segundo são as estratégias de mitigação, que são criar políticas ou artifícios para restringir o deslocamento de parte da população. Como são doenças de contágio, doenças de transmissão por proximidade, uma maneira eficiente é você tentar controlar o deslocamento, tanto parcialmente para cada indivíduo ou para certos grupos de indivíduos. A outra possibilidade é o que a China fez, que é a supressão. Nesse caso, você restringe totalmente o acesso e o deslocamento dos indivíduos em um determinado local.

    Quando Bolsonaro falou em isolamento vertical, de só isolar os grupos de risco, ele falou só dos idosos. Em sua fala ele nem considera outros grupos de risco de infecção por coronavírus. Nesse tipo de medida, você não está controlando o deslocamento de outros indivíduos, como, por exemplo, jovens que estão fora do grupo de risco, adultos que estão fora, crianças. O que ele propõe não é viável na situação de pandemia que a gente tem.

    Quem tentou tomar essa medida foi o ministério da Saúde britânico. Só que o próprio Imperial College London [universidade referência em medicina] publicou um artigo em que eles modelaram matematicamente essa proposta de isolamento vertical. Mostraram que, mesmo nesse cenário, você pode ter aproximadamente 80% da população sendo infectada. A grande questão é que essa ideia não é extrapolada além do primeiro momento em que é proposta. Se você isolar grupos de risco ainda precisa ter pessoas que vão interagir com esse grupo de risco, para levar mantimentos, tomar conta, monitorar. Já dá uma parcela significativa da população.

    O Brasil é um dos países com uma das maiores populações de idosos do mundo. Aproximadamente, 11% da nossa população tem mais de 60 anos, que é inclusive o argumento que usaram muito para justificar a Reforma da Previdência. Temos também uma série de prevalências de doenças incluídas em grupos de risco do coronavírus. De acordo com dados do próprio governo, 24,7% da população brasileira que vive em cidades é hipertensa. A letalidade desse grupo com relação ao covid-19 é de 10% a 11%. Também tem prevalência alta de diabetes no Brasil. Quando você botar no papel, o número de pessoas que terá que isolar vai chegar numa fatia maior do que metade da população brasileira.

    Com base nos estudos que a gente têm até agora, a mitigação não é suficiente para controlar esse surto, apenas a supressão. Foi isso que fez com que a China conseguisse sair do pico do vírus em pouco mais de três meses. Tem funcionado na Itália também pois tem desacelerado o surgimento de casos. É nesse cenário que a gente tem que apostar para ter algum tipo de medida efetiva no cenário brasileiro. Quanto mais tempo Bolsonaro hesita em tomar essas medidas, maior vai ser o número de casos e mais tempo a gente vai levar para sair do pico desse surto.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.