Como visitar online museus fechados durante a pandemia

Instituições ficarão sem visitantes por tempo indeterminado, mas milhares de acervos podem ser visualizados digitalmente

Temas

Em março de 2020, museus e instituições culturais do mundo inteiro fecharam as portas por tempo indeterminado. Ao deixarem de ser foco de aglomeração de pessoas, eles colaboram para a contenção da pandemia do novo coronavírus.

O caso de Hong Kong ilustra que não é possível saber quanto tempo as restrições à visitação podem durar. A região suspendeu as atividades dos seus museus no final de janeiro de 2020 – uma iniciativa que, naquele momento, estava na dianteira das ações adotadas no mundo para combater o vírus. A estratégia deu certo: até o início de março, o vírus estava sob controle no território vizinho à China, com cerca de cem casos contabilizados da covid-19.

Foi então que, com a crença de que o pior teria passado, atividades de diversos ramos buscaram retornar à normalidade e os museus começaram a reabrir. Mas eles tiveram que fechar novamente quando uma segunda onda da epidemia atacou, mais que dobrando o número de infectados entre 16 e 23 de março de 2020.

Acervos online

Ainda que manter essas instituições inacessíveis para a população seja uma medida eficaz na conjuntura atual, não deixa de ser melancólico imaginar os espaços vazios dessas instituições e as obras que elas guardam, longe dos olhos de todos.

Felizmente, muitos museus e galerias contam hoje com coleções digitalizadas e oferecem tours virtuais de seus acervos. A plataforma Google Arts & Culture tem colaborado nisso: mantém parcerias com mais de 2 mil museus no mundo todo e permite acessar coleções e exposições digitalmente.

Entre seus parceiros estão instituições como o Masp (Museu de Arte de São Paulo) e o Museu d’Orsay, em Paris. O Nexo destaca abaixo três exposições, disponíveis para serem visitadas virtualmente a qualquer momento.

O impacto da estilista Coco Chanel na moda

Oferecida pelo Museu Metropolitan, de Nova York, a exposição aborda a influência decisiva de Chanel para a moda do século 20 em diante.

Os desenhos do Juquery

Apresentada pelo Masp em 2015, a exposição traz desenhos feitos pelos pacientes internados no Hospital Psiquiátrico do Juquery, fundado em Franco da Rocha, São Paulo, em 1898. As imagens são contextualizadas por informações sobre a prática da arte como terapia no Brasil.

Os livros preferidos de Van Gogh

Do Museu Van Gogh, localizado em Amsterdã, esta exposição parte da recorrência da representação dos livros nas obras do pintor para tratar de seu amor pela literatura, de que tipo de livros e de quais autores ele gostava, e da influência desta outra forma de expressão sobre suas pinturas.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante? x

Entre aqui

Continue sua leitura

Inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: