Os desencontros de Bolsonaro e governadores na pandemia

Presidente critica medidas nos estados. Parte das restrições impostas no Rio são de competência da União

    “Parece que o Rio de Janeiro é um outro país”, disse o presidente Jair Bolsonaro na sexta-feira (20) ao comentar o decreto do dia anterior assinado por Wilson Witzel (PSC). O governador do Rio havia decidido suspender o transporte aéreo e terrestre da capital, além da entrada de navios de cruzeiro provenientes de estados ou países onde haja circulação do coronavírus. A ação passa a ter validade a partir da meia-noite de sábado (21).

    “Estão tomando medidas, no meu entender, exageradas. Fecharam o aeroporto do Rio de Janeiro. Não compete a ele, meu Deus do céu! A Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] está à disposição, é uma agência autônoma que está aberta para todo mundo, para conversas. Eu vi ontem um decreto do governador do Rio que, confesso, fiquei preocupado. Parece que o Rio de Janeiro é um outro país. Não é outro país. Você tem uma federação", disse Bolsonaro.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.