Por que as periferias são mais vulneráveis ao coronavírus

Desigualdade urbana e informalidade colocam população pobre em situação mais delicada diante da pandemia

As principais medidas de prevenção recomendadas para conter a pandemia do novo coronavírus – lavar as mãos e o rosto com frequência, fazer uso de álcool gel e praticar o distanciamento social – não estão ao alcance de muitos moradores de comunidades e periferias das cidades brasileiras.

Em grande parte dos domicílios desses locais, o abastecimento de água é intermitente. Faltam condições para adquirir o produto que garante a desinfecção das mãos e ficar em casa, em habitações de poucos cômodos que abrigam várias pessoas, pode não ajudar.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.