Ir direto ao conteúdo

O teste negativo de Bolsonaro para o novo coronavírus

Presidente usou o Twitter para dizer que não tem a doença. Junto com a mensagem, postou uma foto dando uma banana para a imprensa

Jair Bolsonaro afirmou no início da tarde desta sexta-feira (13) que seu teste para o novo coronavírus deu negativo. Junto com o comunicado, o presidente postou uma foto em que dá uma banana para a imprensa, num gesto repetido mais de uma vez por ele nas entrevistas que costuma dar em frente ao Palácio da Alvorada, sua residência oficial.

HFA/SABIN atestam negativo para o COVID-19 o Sr. Pres. da República Jair Bolsonaro”, escreveu o presidente, referindo-se ao resultado atestado pelo Hospital das Forças Armadas. Não acredite na mídia fake news! São eles que precisam de vocês, disse o presidente em outra mensagem.

Na quinta-feira (12), veio a público que o chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, estava com o vírus. Ele está em quarentena domiciliar enquanto houver risco de transmissão da doença.

Bolsonaro e Wajngarten foram juntos aos Estados Unidos, onde se encontraram com Donald Trump no sábado (7). O senador americano Lindsey Graham, que esteve em evento ao qual Wajngarten também compareceu, já anunciou que fará quarentena, como medida de precaução. O prefeito da cidade de Miami, Francis Suarez, que participou de um evento com a comitiva brasileira, afirmou que seu teste deu positivo para o vírus.

Bolsonaro e os ataques à imprensa

Ainda pela manhã de sexta-feira (13), alguns veículos de comunicação, como jornal O Dia e o canal Fox News, começaram a publicar que o teste de Bolsonaro havia dado positivo. A emissora de TV americana atribuía a confirmação ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente. O parlamentar diz que jamais falou que o exame havia dado positivo. No dia anterior, havia boatos no mercado financeiro sobre esse resultado.

Em reação a essas notícias, Bolsonaro então usou uma foto de fevereiro, na qual faz o gesto de banana para repórteres. Na ocasião, o presidente reclamava da forma como a imprensa abordava falas públicas dele.

O presidente já chegou a levar um humorista para dar bananas (desta vez a fruta) para repórteres que o aguardavam na frente do Alvorada. Naquele dia, 4 de março, o IBGE havia divulgado o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019. O desempenho foi baixo, de apenas 1,1%.

Bolsonaro mantém uma relação conturbada com jornalistas. Já usou mentiras e até insultos sexuais para atacar profissionais, como no caso da repórter especial do jornal Folha de S.Paulo Patrícia Campos Mello.

As declarações de Bolsonaro sobre a pandemia

Em discurso para apoiadores de seu governo, na segunda-feira (9), em Miami, Bolsonaro disse que as preocupações quanto ao coronavírus são exageradas. “Tem a questão do coronavírus também que, no meu entender, está superdimensionado o poder destruidor desse vírus, então talvez esteja sendo potencializado até por questão econômica”, disse.

Ainda nos Estados Unidos, na terça-feira (10), o presidente novamente minimizou os impactos da epidemia. No discurso, feito para algumas dezenas de empresários, ele também criticou a cobertura que a mídia tradicional tem feito da crise.

Obviamente temos no momento uma crise, uma pequena crise. No meu entender, é muito mais fantasia a questão do coronavírus, que não é isso tudo que a grande mídia propala ou propaga pelo mundo todo

Jair Bolsonaro

presidente da República, sobre a crise do coronavírus, em 10 de março de 2020

Na quarta-feira (11), a OMS (Organização Mundial de Saúde) decretou estado de pandemia do novo coronavírus. A designação é usada quando há um grande número de epidemias em diversas regiões do planeta. Já havia registros de contaminação em mais de 100 países.

Na noite de quinta-feira (12), Bolsonaro apareceu numa live de Facebook com uma máscara cirúrgica. Estava ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, também de máscara.

O presidente afirmou que aguardava o resultado do seu teste para o novo coronavírus. Em meio à transmissão, desestimulou as manifestações anti-Congresso marcadas para domingo (15), que, anteriormente, estava apoiando.

Depois, Bolsonaro fez um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV com o mesmo objetivo. “Nossa saúde e de nossos familiares devem ser preservadas. O momento é de união, serenidade e bom senso”, disse Bolsonaro. Os principais organizadores do protesto suspenderam a sua realização.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Você ainda tem 3 conteúdos grátis neste mês.