O estado de pandemia do coronavírus. E as ações no Brasil

A covid-19, doença transmitida pelo vírus, ganha alerta máximo da Organização Mundial de Saúde três meses após primeiros casos surgirem na China

    A OMS (Organização Mundial de Saúde) decretou na tarde desta quarta-feira (11) estado de pandemia diante da expansão do novo coronavírus. O ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que a declaração do órgão vem tarde. “Desde a semana passada o Brasil já trata como pandemia”, disse à imprensa momentos depois do anúncio.

    Segundo a organização, a nomenclatura foi evitada até aqui por que havia um temor de que países se empenhassem menos em realizar medidas protetivas caso a doença parecesse impossível de conter.

    “Pandemia não é uma palavra a ser usada de modo trivial ou descuidado. É uma palavra que, se usada de maneira inadequada, pode causar medo irracional ou aceitação não-justificada de que a luta acabou, levando a sofrimento e morte desnecessários”, afirmou Tedros Adhanom, diretor da OMS.

    Glossário

    Surto

    É quando há o aumento repentino dos números de uma doença em uma região específica.

    Epidemia

    É caracterizada quando há o aumento de surtos em diversas regiões.

    Pandemia

    É definida quando há um grande número de epidemias em diversas regiões do planeta, sendo o pior dos cenários infectológicos.

    O balanço até 11 de março

    De acordo com a OMS, há registros de coronavírus em mais de 114 países, mais da metade dos países do mundo (195). Segundo dados da entidade, eram mais de 4.500 mortes e 122 mil casos confirmados em todo o mundo até quarta-feira (11). No Brasil, eram 69 casos confirmados.

    O diretor da OMS afirmou que alguns países estão com dificuldades devido a falta de condições para lidar com a doença, mas que o problema com outros é a falta de empenho. “Todo o dia avisamos países a tomar atitudes urgentes e agressivas. Soamos o alarme de maneira alta e clara”, afirmou Adhanom.

    De acordo com o Instituto Pensi, centro de pesquisa clínica em pediatria do Hospital Infantil Sabará, se o Brasil chegar a 50 casos confirmados de coronavírus, esse total pode escalar para mais de 4 mil casos em 15 dias e cerca de 30 mil depois de 21 dias.

    As recomendações da OMS

    O termo pandemia se refere a um alcance maior, não a uma letalidade ou potência aumentada da doença. De acordo com a OMS, descrever a situação dessa maneira “não muda a avaliação a respeito da ameaça representada pelo coronavírus. Não muda o que a OMS está fazendo e não muda o que os países deveriam fazer”. Ressaltou que é hora de escalar mecanismos de resposta a emergências.

    De acordo com o comunicado da entidade, as estratégias e abordagens dos governos devem se pautar por quatro áreas principais:

    • Primeiro: se preparar e estar pronto
    • Segundo: detectar, proteger e tratar
    • Terceiro: reduzir a transmissão
    • Quarto: inovar e aprender

    Entre as recomendações, está a comunicação com a população sobre riscos e proteção, o isolamento dos casos confirmados e proteção e treinamento de pessoal da saúde.

    Hoje [com o estado de pandemia], a vigilância serve para todas as pessoas e deixamos de fazer buscas individualizadas. Tratamos todas as pessoas como possíveis contaminados

    Marcos Boulos

    infectologista do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP, em entrevista à BBC Brasil

    O que o Brasil está fazendo

    Em fala no Congresso, o ministro Mandetta enfatizou que o país se antecipou ao tomar medidas que já consideravam o coronavírus como uma pandemia.

    De acordo com o ministro, a rede de postos de saúde com horário estendido foi ampliada de 1.500 pontos para 6.700 em todo o país. Segundo o ministério, os mais de 42 mil postos de saúde existentes no país conseguem atender cerca de 90% dos casos de covid-19, já que são mais leves e podem ser resolvidos na Atenção Primária.

    A campanha de vacinação contra gripe, que começará em 23 de março, também foi ajustada diante do avanço do vírus. Os primeiros a serem vacinados serão idosos e profissionais de saúde, mais vulneráveis. Na campanha de 2019 o primeiro grupo foi de crianças e gestantes. A ideia é que pessoas com mais de 60 anos não precisem ir para postos de vacinação em uma fase mais avançada do coronavírus.

    A vacina que será aplicada é contra a influenza. Ela não protege contra o coronavírus, cuja vacina talvez só fique pronta em 2021, mas ajuda profissionais de saúde na triagem de casos, possibilitando um diagnóstico mais rápido da covid-19.

    Em vídeo divulgado no Twitter, o ministro da Educação Abraham Weintraub defendeu a criação de “plano de aulas remotas” para a eventualidade de uma cidade ou região ter de suspender a ida à escola. Seu colega da Saúde, no entanto, afirmou que qualquer iniciativa nesse sentido pode colocar em risco o grupo dos mais velhos. “Quando se fazem férias escolares ou suspensão de aula, essas crianças vão ficar com quem? Se mandarem para os avós, como é o hábito das famílias brasileiras, eu vou estar expondo, porque 30% [dos casos] são assintomáticas, e um tanto dessas crianças e adolescentes têm formas leves”, disse o ministro Mandetta.

    Outros momentos em que houve pandemia

    Maior pandemia do século 20, a gripe espanhola durou de 1918 a 1920 e matou entre 50 e 100 milhões, dependendo da estimativa. Ela infeccionou cerca de 500 milhões de pessoas em todo o mundo.

    Os movimentos de milhares de tropas na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), facilitados por meios de transporte mais eficientes, são apontados como fator decisivo para a disseminação do vírus H1N1, transmissor da gripe.

    Em 2009, uma nova pandemia do vírus H1N1 correu o planeta. Apelidada de gripe suína, devido a sua origem em vírus encontrados em porcos, vitimou entre 150 mil e 580 mil pessoas. Foi a primeira pandemia do século 21, com casos registrados em quase todos os países do mundo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.