Como o Irã censura e persegue cineastas premiados

Mohammad Rasoulof ganhou o Urso de Ouro, maior prêmio do festival de Berlim, semanas depois de ser sentenciado à prisão por fazer propaganda contra o governo

    O Urso de Ouro de 2020, prêmio mais importante do festival de cinema de Berlim, foi dado no sábado (29) ao filme iraniano “There is no evil” (“Não existe mal”, em tradução livre), dirigido por Mohammad Rasoulof. Algumas semanas antes, o cineasta teve confirmada uma sentença que havia recebido em julho de 2019: um ano de prisão por fazer “propaganda contra o governo” em seus filmes anteriores.

    A decisão da Justiça iraniana é questionada por grupos de direitos humanos, especialmente por vir na mesma semana em que o governo decidiu liberar milhares de detentos na tentativa de evitar a transmissão em massa do coronavírus em presídios do país. Rasoulof está no Irã, mas ainda não foi preso pelas autoridades.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.