De marginal ao mainstream: a história da cultura ballroom

Criada por LGBTIs pobres e discriminados de Nova York, cena se tornou uma referência importante da cultura pop

Em uma performance já icônica na cerimônia do MTV Video Music Awards de 1990, Madonna cantou sua música “Vogue” acompanhada de um grupo de dançarinos vestidos como membros da realeza francesa do século 18. A inspiração para a opulência ostentada no palco, bem como para a canção-hit da diva pop, entretanto, não poderia ser mais distante do palácio de Versalhes: as comunidades LGBTIs negras e latinas da cidade americana de Nova York.

“Vogue” é uma homenagem à cena ballroom nova-iorquina, um circuito de bailes onde homens gays, mulheres transgênero e drag queens se reúnem para participar de competições de dança e desfile. O nome da música faz referência ao estilo que se popularizou nesses eventos: coreografias ágeis e angulares, inspiradas nas poses de modelos da tradicional revista de moda Vogue.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.