A greve dos petroleiros. E o risco de desabastecimento

Presidente da Petrobras afirma que nenhum barril deixou de ser produzido em razão da paralisação de funcionários. Grevistas contrariam empresa e dizem que já é possível falar em queda na produção

    A greve dos petroleiros no Brasil completa 18 dias nesta terça-feira (18). A paralisação dos funcionários da Petrobras, que teve início em 1° de fevereiro, teve como motivação o fechamento de uma subsidiária da estatal, anunciado no mês anterior. O encerramento das atividades da subsidiária integra o plano de desinvestimentos e redução da Petrobras, tocado pelo governo federal.

    A greve dos petroleiros ocorre em paralelo a outros movimentos de trabalhadores federais em empresas como a Casa da Moeda e o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados). Na maior estatal brasileira, a paralisação dos funcionários pode afetar a produção de petróleo, segundo os grevistas. Isso, por sua vez, poderia levar a uma eventual falta de combustíveis nos postos brasileiros.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.