Future-se: quais os entraves no Congresso e nas universidades

Principal programa do MEC para ensino superior esbarra nas relações de Abraham Weintraub com parlamentares e na baixa adesão. Secretário que formulou proposta pediu demissão da pasta

    Um dos principais programas lançados pelo Ministério da Educação na gestão de Abraham Weintraub, o Future-se passou em janeiro de 2020 por uma nova consulta pública e ganhou sua terceira versão desde que foi apresentado pela primeira vez em julho de 2019. A proposta do governo visa dar maior autonomia às universidades federais ao criar incentivos à participação da iniciativa privada nas instituições públicas.

    O texto final precisa, agora, ser enviado pelo MEC ao Congresso, já que a iniciativa depende de alterações em leis para poder entrar em vigor. Não há data definida para que isso ocorra. Por conta da resistência da comunidade acadêmica e entre parlamentares, o caminho até sua implantação não deve ser fácil. A pasta vem enfrentando uma crise devido ao desgaste de Weintraub com os erros no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2019.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.