Como o racismo aflora diante do medo do coronavírus

Chineses e outros indivíduos de origem asiática têm sido alvo de ofensas e constrangimento em espaços públicos desde o agravamento do surto da doença

Com a epidemia de um novo tipo de coronavírus, originada na China, e casos confirmados em dezenas de outros países ao longo do início de 2020, manifestações de racismo contra chineses têm emergido pelo mundo.

A hostilidade afeta não só a população do país, mas cidadãos e descendentes de outras nações do leste da Ásia, e se expressa em insultos contra essas pessoas em espaços públicos e restrições à sua entrada em estabelecimentos. Muitas vezes, permeia a cobertura da imprensa e aparece em comentários nas redes sociais.

Incidentes de racismo e xenofobia foram reportados em países europeus – como Itália, França e Reino Unido –, do continente americano, como Canadá e Estados Unidos, e mesmo na Ásia, em lugares como Coreia do Sul e Malásia.

Na França, a hashtag #JeNeSuisPasUnVirus (Eu não sou um vírus) surgiu no final de janeiro de 2020 para denunciar agressões racistas contra a comunidade asiática do país, que aumentaram com a propagação do vírus. O Brasil não sai ileso: chineses que vivem no país e brasileiros de ascendência oriental relatam ter sofrido constrangimentos e ofensas racistas depois do início do surto da doença.

Alimentado também pela desinformação – em grande medida propagada por notícias falsas sobre a doença – , o preconceito tem levado a ações infundadas como deixar de consumir produtos chineses e comida típica do país, assim como evitar contato com todas as pessoas que possuam traços orientais.

Como estereótipos antigos alimentam o preconceito

O conteúdo das agressões contra orientais normalmente faz referência aos hábitos de higiene e de alimentação dos chineses, que estariam na raiz da emergência do vírus (que ainda não foi totalmente esclarecida).

Esses estereótipos não são novidade. Em um artigo de opinião escrito para a CNN, o jornalista e escritor Jeff Yang lembra que a ideia de que chineses são “sujos”, “comem qualquer coisa” e “espalham doenças” foi historicamente usada em países ocidentais, como os EUA, para difamar a comunidade chinesa, fazendo-a parecer “impossivelmente exótica e portanto inassimilável e inadmissível em países ‘civilizados’”.

Yang aponta ainda que, de maneira mais geral, insultos associados a sujeira, selvageria e atraso também foram muitas vezes associados a estrangeiros de diversas origens de maneira a legitimar sua exclusão, expulsão ou mesmo extermínio.

“É uma forma sutil, mas perniciosa, através da qual até a mídia mais esclarecida estimula a sinofobia: retratando os hábitos chineses de alimentação e consumo como em descompasso com a modernidade; como resquícios irracionais, nojentos e patogênicos de um passado obscuro”

Christos Lynteris

antropólogo da medicina e professor da Universidade St. Andrews, no Reino Unido, em entrevista à BBC Brasil

A estigmatização geral dos “wet markets” (mercados da China que vendem animais vivos, abatidos na hora) na mídia ocidental é um exemplo que sintetiza esses preconceitos e não contribui para uma regulação mais eficaz desses estabelecimentos, segundo Yang. Há uma suspeita de que a primeira transmissão do vírus de um animal para um humano tenha ocorrido em um desses mercados, mas cientistas ainda investigam esse contágio inicial.

Além de trazer à tona estereótipos latentes, o racismo ligado ao coronavírus tem também um componente geopolítico, como explica ao Nexo o cientista político e professor do departamento de relações internacionais da Uerj Maurício Santoro.

“É uma reação a uma série de medos e de tensões ligadas à ascensão da China – o medo do governo autoritário chinês e a falta de confiança nas autoridades do país”, diz Santoro. Segundo o professor, a epidemia faz emergir a desconfiança de países ocidentais em relação à China, reforçando a ideia de que sua posição como potência mundial pode trazer consequências problemáticas.

“A China é muito mais importante hoje do que ela era há dez, vinte anos. A quantidade de pessoas que precisam ir à China é muito maior do que anteriormente e isso também torna o medo maior”, diz.

Epidemias e estigma na história

A capacidade de epidemias de amplificar tendências e tensões sociais também é observada por João Rangel de Almeida, membro do grupo de resposta a epidemias do Wellcome Trust, organização do Reino Unido. “O pânico gera uma enorme necessidade de apontar bodes expiatórios”, disse ao Financial Times. “Sempre que existe uma epidemia com uma localização geográfica muito precisa, existe também uma reação xenófoba bastante agressiva contra pessoas que vêm dessas localidades”, diz ao Nexo o professor da Uerj Maurício Santoro.

No caso dos chineses e asiáticos em geral, a expressão “perigo amarelo” tem sido usada desde o século 19 para caracterizá-los como ameaças a nações ocidentais. No surto do novo coronavírus, o jornal local francês Courrier picard chegou a usar a expressão em sua capa para tratar do assunto.

Chineses e orientais em geral também foram alvo de preconceito em várias partes do mundo durante a epidemia de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave), surgida na China no início dos anos 2000, de gripe aviária, também na década de 2000, e de peste bubônica, que atingiu o país em meados do século 19. Em Los Angeles, nos Estados Unidos, dezenas de imigrantes chineses foram mortos em um massacre em 1871, consequência do caldo de xenofobia que fora criado na época.

Outras epidemias globais igualmente estimularam o preconceito contra diferentes grupos étnicos ou minorias: a Aids, na década de 1980, contra homossexuais, a gripe A, nos anos 2000, contra mexicanos e latinos e o ebola, nos anos 2010, contra africanos.

Para Santoro, esse tipo de manifestação deve ser combatida com campanhas públicas contra o racismo, que tragam informação confiável sobre como se contrai o vírus, e com autoridades atuando para regular o que estabelecimentos comerciais e outros espaços podem ou não fazer para se proteger durante a epidemia.

Os modos de prevenção do coronavírus

No Brasil, nenhum caso do novo coronavírus foi confirmado. O governo analisa 14 suspeitas da doença. Por ser novo, não se sabe ainda com que facilidade o vírus é transmitido de pessoa para pessoa. Os da mesma família que já circulam pelos humanos, porém, costumam passar pelo contato com secreções de pessoas contaminadas: gotículas de saliva, espirro, tosse, toque ou aperto de mão seguido de contato com boca, nariz e olhos.

A pessoa pode ficar até cinco dias com o vírus no corpo antes de apresentar os sintomas de febre, tosse e dificuldade para respirar. Diferentemente dos demais, o novo coronavírus surgido na China pode causar pneumonia severa e levar à morte. Ao todo, ele fica por cerca de duas semanas incubado, período no qual surgem os sintomas.

Para reduzir os riscos de contágio e de transmissão, o Ministério da Saúde brasileiro recomenda medidas simples como evitar contato próximo com infectados, lavar frequentemente as mãos, cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca e manter os ambientes bem ventilados.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante? x

Entre aqui

Continue sua leitura

Inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: