A política cultural na Hungria. E os paralelos com o Brasil

Produtores culturais do país europeu reportam tentativas de dirigismo cultural e cortes de subsídio. Representantes do governo Bolsonaro exaltam políticas do primeiro-ministro Viktor Orbán

    Quando o ex-secretário da Cultura Roberto Alvim participou de um evento da Unesco, em Paris, em novembro de 2019, as atenções se voltaram para o seu discurso. Para Alvim, a arte brasileira havia se tornado “um meio para escravizar a mentalidade do povo em nome de um violento projeto de poder esquerdista”. Na mesma fala, ele defendeu a criação de uma “nova geração de artistas”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.