Como os incêndios na Austrália podem afetar o mercado de carne

Fogo provocou perdas nos rebanhos de gado e de ovelhas, o que pode ampliar a demanda por produção de países como o Brasil. Em 2019, exportação brasileira elevou a inflação

Os incêndios na Austrália que se intensificaram nos primeiros dias de 2020 atingiram mais de 114 mil km² do território do país. Ao menos 28 pessoas morreram desde setembro de 2019, quando começou a temporada de incêndios.

As regiões de Victoria e Nova Gales do Sul, no sudeste do país, estão entre as mais atingidas. Mais de 50 mil pessoas ficaram sem energia, algumas não têm acesso à água potável, e artigos básicos como pão e leite têm sido disputados nos mercados. Em termos econômicos, as perdas já somam mais de R$ 1 bilhão.

O fogo também atingiu gravemente os animais australianos, incluindo rebanhos criados para a comercialização de carne. A estimativa de pesquisadores da Universidade de Sydney é que pelo menos um bilhão de animais, no geral, tenha morrido.

Segundo a Meat & Livestock Australia, órgão público de pesquisa, 20% do gado australiano vive em regiões total ou parcialmente atingidas pelo fogo. Cerca de 80 mil fazendas haviam sofrido danos até 7 de janeiro. Segundo a consultoria econômica australiana Mecardo, a população de gado no país deve sofrer queda de 1,8% em 2020; já a população de ovelhas pode ser reduzida em 2,4%. Até 13 de janeiro de 2020, ao menos 100 mil cabeças de gado e 100 mil ovelhas haviam morrido.

450 mil

é o total de gado que deve ser perdido em 2020 pelos incêndios, segundo estimativa da Mecardo, consultoria econômica australiana

1,7 milhão

é o total de ovelhas que deve ser perdido em 2020 pelos incêndios, segundo estimativa da Mecardo, consultoria econômica australiana

Ainda não se sabe qual será a extensão do prejuízo e a real diminuição dos rebanhos no país. A depender do seu impacto, no entanto, as perdas de animais podem alterar o papel da Austrália no mercado internacional de carnes em 2020 – o que pode ter efeitos no Brasil.

O papel da Austrália no mercado mundial

A Austrália é o sétimo maior produtor de carne bovina do mundo. Mas, em termos de exportação, o país salta para terceiro lugar em vendas de carne de boi ao exterior, atrás apenas de Brasil e EUA. O quarto lugar fica com a Índia, que exporta duas vezes e meia o total da Nova Zelândia, quinto maior vendedor bovino do mundo. Em 2018, o Brasil exportou cerca de 36% a mais do que a Austrália, liderando o mercado com folga.

PRODUÇÃO BOVINA

Maiores produtores de carne de boi do mundo em 2018. EUA e Brasil lideram, Austrália está em sétimo

EXPORTAÇÃO BOVINA

Maiores exportadores de carne de boi do mundo em 2018. Brasil, EUA, Austrália e Índia no topo, de primeiro a quarto lugar.

Além de ocupar posição importante no mercado de carne bovina, a Austrália também se destaca no setor de carne de ovelha. O país é o maior exportador de carne ovina do mundo, sendo responsável por quase metade do mercado mundial. Outro grande protagonista é a Nova Zelândia – juntos, os dois países responderam por mais de 85% de todas as exportações de carne de ovelha do planeta em 2018.

EXPORTAÇÃO OVINA

Maiores exportadores de carne de ovelha em 2018. Domínio de Austrália e Nova Zelândia

Onde Austrália e Brasil são concorrentes

Um dos principais pontos de concorrência da Austrália com o Brasil é o mercado importador de carne na Indonésia. Com mais de 260 milhões de habitantes, a Indonésia importa em torno de 150 mil toneladas de carne por ano. Aproximadamente 40% de toda essa carne têm origem australiana.

A Indonésia é um país de maioria islâmica e é um grande consumidor de carnes halal (“autorizado”, em árabe), que seguem normas específicas para a criação, alimentação e abate dos animais. O Brasil é o maior exportador mundial de carnes halal. As empresas produtoras recebem inspeções para certificar se seguem, de fato, os preceitos.

Em agosto de 2019, a Indonésia liberou a importação de carne de boi de 10 empresas brasileiras após negociação com o governo do Brasil. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, as plantas frigoríficas liberadas para exportação de carne teriam o potencial de exportar ao menos 25 mil toneladas de carne bovina para o país do sudeste asiático. A possível diminuição de oferta bovina australiana pode favorecer a presença de carne brasileira na Indonésia.

Outro mercado onde a Austrália tem atuação forte é o de gado vivo. Ao todo, produtores australianos exportaram mais de 1,1 milhão de cabeças desse tipo de gado em 2018, mesmo ano em que o Brasil exportou 778 mil. Em 2019, o Brasil perdeu competitividade nesse mercado, com recuo de um quarto da exportação. A perda de rebanhos na Austrália pode reabrir espaço para os produtores brasileiros no comércio internacional de gado vivo.

A crise da carne suína chinesa

Em 2019, o mercado internacional de carne ficou marcado pela diminuição do rebanho de porcos da China em decorrência da epidemia de febre suína africana que atingiu o país. A febre suína africana é um vírus que afeta porcos, resultando em quadros hemorrágicos e levando quase sempre à morte dos animais. A doença é incurável e altamente contagiosa para suínos, mas, segundo a Organização Mundial de Saúde Animal, não apresenta riscos para humanos.

Segunda maior economia do mundo, a China é o país que mais produz e consome carne de porco no planeta. Em 2018, os chineses produziram 54,04 milhões de toneladas de carne suína e consumiram 55,40 milhões. O segundo colocado, tanto em produção como em consumo, foi a União Europeia, a uma distância significativa: 24,30 milhões de toneladas produzidas e 21,38 milhões de toneladas consumidas. A preferência da população chinesa pelo porco é notável: cerca de 60% da proteína consumida no país é de origem suína.

A diminuição do rebanho chinês em mais de 40% aumentou a procura pela carne brasileira – seja bovina ou suína. A necessidade de suprir a demanda chinesa de carne elevou as exportações do país e fez subir os preços das proteínas.

O peso da carne no bolso do brasileiro

Em novembro e dezembro de 2019, o preço da carne aumentou consideravelmente no Brasil, tendo como pano de fundo a epidemia de febre suína africana na China. Ao todo, o preço da arroba de boi gordo havia aumentado 48% no ano até dezembro. No último mês do ano, as carnes subiram 18%, sendo responsáveis, em dezembro, por 45% de todo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), principal índice de inflação ao consumidor do país.

No acumulado de 2019, a inflação do país foi de 4,31%. Desse total, 0,86 ponto percentual veio do aumento do preço da carne, que terminou o ano 32,4% mais cara, no acumulado dos 12 meses. A variação do IPCA define a inflação ampla, para consumidores com renda entre 1 e 40 salários mínimos. Para isso, mede as variações de preços de centenas de produtos todo mês – entre o dia 1º e o dia 30 –, dando diferentes pesos aos diferentes produtos.

A redução do rebanho bovino na Austrália em decorrência dos incêndios pode trazer mais um choque de preços na carne para o Brasil. A depender do tamanho da restrição da oferta, a procura pela carne brasileira pode ter mais um momento de alta. À Agência Estado, o diretor da Scot Consultoria, Alcides Torres, confirmou a expectativa de queda da participação da Austrália no mercado internacional de carne em 2020.

“Estes incêndios são cíclicos, mas o fogo afetou a pecuária de corte e tende a prejudicar o desempenho australiano no comércio internacional de carne de boi”

Alcides Torres

diretor da Scot Consultoria, em entrevista à Agência Estado publicada em 8 de janeiro de 2020

Com a menor oferta mundial de carne, a tendência é que os preços aumentem, beneficiando os produtores e exportadores brasileiros, mas pesando mais no bolso dos consumidores. Ao Nexo, o professor de economia da PUC-SP Antonio Carlos Alves dos Santos comentou os possíveis efeitos dos incêndios na Austrália no Brasil.

“Tivemos um fato infeliz, mas que acaba sendo benéfico ao produtor brasileiro, que foi a perda de gado na Austrália [por causa dos incêndios]. Não sabemos como isso vai impactar no preço mundial da matéria-prima bovina, mas poderá impactar porque a Austrália é o terceiro maior exportador mundial. Então, abre um espaço para o Brasil trabalhar nessa área”

Antonio Carlos Alves dos Santos

professor de economia da PUC-SP, em entrevista ao Nexo realizada em 8 de janeiro de 2020

Assim como em 2019, a carne pode ter um papel importante na inflação de 2020 – tanto pela continuidade da crise de carne de porco chinesa como pelas perdas animais causadas pelos incêndios na Austrália.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: