Ir direto ao conteúdo

A HQ que transforma os Orixás do Candomblé em super-heróis

Idealizada por quadrinista baiano, história em quadrinhos se inspira visualmente nos personagens americanos para difundir a cultura afro-brasileira

Temas

Incorporar a cultura afro-brasileira a uma estética de quadrinhos de super-heróis americanos é a premissa da HQ independente "Contos dos Orixás", do autor baiano Hugo Canuto. Lançado originalmente em 2017, o quadrinho foi reimpresso em 2019.

No Candomblé, os Orixás são ancestrais africanos que foram divinizados após conseguirem o domínio de elementos da natureza, como o fogo e os raios, e de atividades humanas, como a guerra e a pesca.

Ao Nexo, Canuto conta que a ideia surgiu da vontade de ampliar a representatividade da cultura afro-brasileira dentro do mundo da cultura pop. "Eu, como baiano, acho importante falar de Orixás, e acho que essa é uma maneira de quebrar preconceitos", disse.

O preconceito com religiões de matriz africana se acentuou no Brasil nos anos recentes. Em 2019, houve um aumento de 47% no números de casos relacionados à intolerância religiosa, em comparação com o ano de 2017. As religiões africanas foram o alvo em 59% desses casos.

Aventuras e batalhas épicas

A trama começa com uma representação da criação do mundo segundo o Candomblé, com Olorum, a Grande Voz, dando origem ao Axé, a fonte de toda a energia de vida. O restante da HQ coloca os Orixás em grandes batalhas e em aventuras épicas.

Para representar corretamente as figuras do Candomblé e suas histórias, Canuto mergulhou em livros e artigos científicos. Ao final do quadrinho, uma lista de referência bibliográfica conta com 30 materiais que foram consultados pelo autor. Além disso, um glossário com termos na língua iorubá foi revisado por Adelson Silva de Brito, professor de língua e cultura iorubá na Casa da Nigéria, instituição mantida pela Embaixada da Nigéria na cidade de Salvador.

Visualmente, Canuto se inspirou nos quadrinhos americanos para desenhar a história. A influência mais significativa é a do quadrinista americano Jack Kirby, figura central na Marvel das décadas de 1960 e 1970 e responsável pela concepção visual de personagens como Pantera Negra, Hulk, Thor e os X-Men.

“Jack Kirby foi muito importante para mim”, disse Canuto. “Foi com ele que eu comecei a gostar de gibis.” Canuto também cita nomes como o francês Moebius, o americano Walter Simonson e o italiano Sergio Toppi como outros quadrinistas que influenciaram seu estilo de desenho e os “Contos dos Orixás”.

Publicada de forma independente, a HQ pode ser adquirida diretamente com o autor durante eventos e por meio de seu site oficial.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!