Como a China quer usar DNA no reconhecimento facial

Projeto em desenvolvimento usa amostras de sangue de minoria étnica perseguida pelo país, segundo reportagem do The New York Times. Tecnologia levanta questões de vigilância em massa e privacidade

    O governo chinês está desenvolvendo uma tecnologia de reconhecimento facial que mapeia o rosto de indivíduos a partir do DNA coletado em amostras de sangue, segundo uma reportagem publicada pelo jornal The New York Times nesta terça-feira (3).

    A tecnologia está em estágios iniciais de desenvolvimento, sendo financiada pelo Ministério de Segurança Pública da China, de acordo com o jornal. O processo também contaria com a presença de pesquisadores ligados a instituições da Europa e dos Estados Unidos.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.