Os 75 anos de Monte Castelo, a primeira vitória brasileira na 2ª Guerra

Confronto tinha como objetivo enfraquecer a presença nazifascista no norte da Itália. Incursões duraram três meses, na reta final do conflito global

    Em 25 de novembro de 1944, começava a mais importante incursão brasileira na Segunda Guerra Mundial: a batalha de Monte Castelo, que aconteceu no front italiano do conflito.

    A Segunda Guerra Mundial teve início em 1939 e, por cerca de três anos, o Brasil se manteve neutro no conflito. Isso mudou em 1942, quando o país anunciou seu apoio aos Aliados, liderados por EUA, Reino Unido, França e União Soviética, declarando guerra às forças do Eixo, representadas por Alemanha, Japão e Itália.

    O presidente do Brasil era Getúlio Vargas, que havia assumido poderes ditatoriais após o regime do Estado Novo em 1937. Marcado pelo autoritarismo, o nacionalismo e o anticomunismo, o regime tinha diversas semelhanças com o regime fascista da Itália. Por pressão popular e por uma campanha dos Estados Unidos pedindo para que os países das Américas se unissem, o Brasil se posicionou ao lado dos Aliados.

    Um ano depois, em 1940, Vargas assinou a portaria ministerial que culminou na criação da FEB, a Força Expedicionária Brasileira, criada especialmente para representar o país no conflito.

    Ao todo, a FEB contou com cerca de 25 mil homens, e tinha como símbolo uma cobra fumando um cachimbo - uma resposta a uma anedota popular da época, segundo a qual seria mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra.

    A batalha no norte da Itália

    Em 25 de novembro de 1944, a FEB chegou em Monte Castelo, a 60 km da cidade Bolonha. O envio das tropas brasileiras foi parte de uma série de esforços dos Aliados para romper a chamada Linha Gótica, uma série de pontos estratégicos ocupados por forças nazifascistas no norte da Itália.

    Foto: Sariana Fernández/Nexo

    As quatro primeiras ofensivas foram realizadas em dezembro daquele ano. O preparo dos exércitos do Eixo e o inverno europeu fizeram com que a FEB não tivesse êxito na missão. O cenário mudou apenas em fevereiro de 1945.

    Com a ajuda de tropas de elite dos EUA, os soldados brasileiros cercaram o monte e emboscaram italianos e alemães. Com a base tomada, os Aliados, que já haviam conquistado posições importantes no sul da Itália, puderam avançar até a cidade de Bolonha.

    Ao todo, cerca de 450 soldados brasileiros morreram nos três meses da batalha de Monte Castelo, a primeira vitória brasileira na Segunda Guerra. A segunda conquista no conflito aconteceu em abril de 1945, na batalha de Montese, que também tinha como objetivo enfraquecer a Linha Gótica. Nesse conflito, parte da ofensiva final dos Aliados na Itália, mais 420 soldados brasileiros morreram.

    A batalha na cultura popular

    Apesar da atuação brasileira não ter sido expressiva e tampouco decisiva no contexto geral da Segunda Guerra, a batalha de monte Castelo ganhou certo espaço na cultura popular do país.

    Em 2015, o cineasta Vicente Ferraz lançou o filme “A estrada 47”, que reconta a atuação da FEB em Monte Castelo. No ano anterior, o longa havia ganhado o prêmio de melhor Filme no festival de Gramado.

    A batalha também rendeu o título de uma das mais famosos músicas do Legião urbana. “Monte Castelo” integrou o disco “As quatro estações”, de 1989, com um título que homenageou um dos tios do compositor e vocalista Renato Russo, pracinha da FEB.

    O cenário mundial na época

    A batalha de Monte Castelo aconteceu na reta final da Segunda Guerra Mundial. O desfecho do conflito ocorreu por uma confluência de fatores. Em março de 1945, as tropas da União Soviética tomaram a cidade de Viena, na Áustria, e nas semanas seguintes o bloco recuperou diversas cidades dominadas pelos nazistas.

    No mês seguinte, em 28 de abril, a Resistência italiana matou, a tiros, o ditador Benito Mussolini, causando a dissolução do Partido Fascista Republicano. No dia seguinte, as forças alemãs na Itália se renderam.

    Cercado pelos soviéticos em Berlim e temendo um destino similar ao de Mussolini, Adolf Hitler cometeu suicídio em seu bunker em 30 de abril de 1945. Nos dias 7 e 8 de maio, cerca de uma semana depois da morte do ditador, as tropas nazistas se renderam na Europa.

    Apesar disso, os combates no oceano Pacífico continuaram. Em agosto, os americanos bombardearam as cidades de Hiroshima e Nagasaki com ogivas nucleares, matando cerca de 220 mil pessoas. A bomba atômica acelerou o processo de rendição do Japão, finalizado em setembro de 1945.

    Depois do fim oficial da guerra, a Alemanha foi dividida em dois blocos, um capitalista, ocupado pelos Aliados, e outro comunista, sob o jugo da União Soviética. A divisão deu início à Guerra Fria, uma série de conflitos indiretos e disputas estratégicas entre americanos e soviéticos que se estendeu até 1991.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: