As ações afirmativas no Brasil hoje. E as estratégias para mantê-las

Ao 'Nexo' a socióloga Márcia Lima falou sobre a importância de produzir uma agenda de combate à desigualdade racial a despeito do Estado em momentos de retrocesso

     

    Ao longo das últimas duas décadas, o Estado brasileiro implementou uma série de políticas de inclusão para a população negra. A mais famosa delas, o sistema de cotas em universidade públicas, é fruto de de pressões da sociedade civil e do diálogo entre instâncias governamentais, ativistas e estudiosos da questão racial.

    Com a eleição do presidente Jair Bolsonaro em 2018, a aproximação do Estado brasileiro com a temática racial, em consolidação desde a década de 1990, sofreu uma ruptura. Desde o período eleitoral, Bolsonaro se coloca contra a política de cotas, prometendo alterá-la. O presidente já afirmou que políticas afirmativas são “coitadismo” e dividem a população.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.